The beginning of the uncertain world

Since the end of World War II, the world has been building a system with a multilateral profile. Starting with the Bretton Woods Institutions (International Monetary Fund – IMF; International Bank for Reconstruction and Development – BIRD; and International Trade Organization – OIC, soon replaced by the General Agreement on Tariffs and Trade – GATT), what we saw was the creation of several international organizations and treaties capable of guiding the behavior of international actors in the most diverse areas.

The peak of this movement occurred in the 1990, period in which there was a series of international conferences and treaties. Inaugurated by ECO-92, cases were treated like women, home, human rights. Essas conferências mostraram ao mundo que a cooperação podia ir além da dimensão institucionalizada, that is, que os compromissos internacionais poderiam se dar também pela vontade dos atores internacionais, mais do que pelo movimento institucionalizado em organizações internacionais.

Desde o começo dos anos 2000 há uma clara inversão nesta tendência. As conferências começaram a mostrar limitações em avançar e, por vezes, chegaram a recuar em alguns compromissos assumidos. Na sequência as organizações internacionais também começaram a mostrar sinais claros de crises. Problemas como limitações orçamentárias logo se mostraram maiores, expondo a não-clareza de agendas.

O mundo começou a mudar.

Logo essa crise das conferências e organizações internacionais se mostrou mais profunda, expondo o esgarçamento das estruturas de poder e organização do comportamento dos atores. Governos mais radicais (para a esquerda ou para a direita) começaram a surgir em diferentes partes do mundo, culminando nos dias atuais, em que a fala de governos mais extremados tem sempre no internacional o contraponto.

O mundo é visto cada vez mais como um lugar perigoso, incerto e ameaçador. Cabe a cada um de nós nos protegermos, nos fecharmos. A crise da Organização Mundial do Comércio (OMC) é a mais vista, mas não a única. Não é apenas o comércio internacional que está sofrendo, os movimentos migratórios, a busca pela sustentabilidade ambiental, o engajamento com o avanço dos direitos humanos, todos estão sofrendo.

Não é a primeira vez que isso ocorre na história, o mundo teve momentos mais claros de um sistema multinacionalizado (prefiro ao termos multipolarizado, que implica em confrontos potenciais), outros com poder mais concentrados e um ou dois países. E provavelmente não será a última vez pela qual passaremos por uma mudança como esta.

A questão que fica é o que ocorrerá enquanto o sistema internacional se reorganiza. Mais do que quem vai mandar, fica a pergunta sobre o que é válido. Em momentos como estes a força militar não é suficiente, ainda que seja uma forma importante para tentar criar uma nova estrutura.

É só olhar a Venezuela, ainda que também possamos olhar a Síria ou o Líbano. É possível usar a força militar e tirar Nicolás Maduro da presidência. E daí? O que acontece depois? Mais do que o problema interno da Venezuela é quais presidentes poderão ser tirados do poder por força militar externa? Um presidente que entende que a proteção do meio ambiente é algo negativo para seu país e resolve autorizar a destruição pode ser removido do poder?

O comportamento unilateral que estamos vendo dos países (ainda que, por vezes, busquem o apoio de outrosque não passam de atuações unilaterais coordenadas no tempo) está substituindo o comportamento multilateral. Isso é fato e deve se tornar algo mais profundo nas próximos anos. Mas quanto mais rápido sairmos do mundo multilateral, maior o risco de termos resultados ameaçadores.

Se o sistema multilateral fracassou, isso não significa que não devemos pressionar para que haja, ao menos, um diálogo mais aberto entre as grandes potências que podem impactar na estrutura do sistema internacional. U.S, Russia, China, India, European Union, Japan – e, por que não o Brasildevem criar canais de comunicação urgentemente.

Website | + posts

Post-Doctorate in Territorial Competitiveness and Creative Industries, by Dinâmia - Center for the Study of Socioeconomic Change, of the Higher Institute of Labor and Enterprise Sciences (ISCTE, Lisboa, Portugal). PhD in International Relations from the University of Brasília (2007), Master in Political Science from the University of São Paulo (2001) and Bachelor of International Relations from the Pontifical Catholic University of São Paulo (1998).