The infectiousness of international sanctions

International sanctions are an instrument of extreme foreign policy, generally adopted when diplomatic channels do not work as expected. Trade sanctions aim to isolate the country from international trade flows, leading to a stranglehold on its economy. Thereby, it is expected that the local population will feel the limitations and start to pressure their government to change the situation that led to international sanction. Logically it seems to be a good policy, but it is not.

Even if the sanction is directed at a particular government, in practice its main impacts are on the population, people who have few, when any, condition to influence government behavior. Limiting access to international goods, bem como o impacto negativo do empobrecimento coletivo resultante de uma economia mais fraca recai sobre pessoas.

Outra questão é que as sanções econômicas sãonormalizadasdepois de um certo tempo. A agenda política que levou à decretação das sanções são logo generalizadas e o processo se torna muito mais ideológico do que efetivamente focado numa questão. Basta vermos a questão dos embargos econômicos impostos pelos Estados Unidos à Cuba, in 1962. O contexto no qual foram criados são diferentes em todas as dimensões que queiramos analisar, ainda assim, a proposta continua. O resultado é claramente fracassado e a agenda por trás da manutenção destes embargos é mais político-eleitoral dos EUA do que propriamente uma política externa. Estima-se que o impacto sobre a economia cubana ao longo do período dos embargos atinge o montante de 89 bilhões de dólares.

No caso venezuelano, as sanções norte-americanas foram iniciadas em 2013 com o objetivo de estrangular o governo de Maduro. O resultado, segundo o Centro Estratégico Latinoamericano de Geopolítica é um impacto de 350 bilhões de dólares para a economia venezuelana, além do fechamento de 3 milhões de postos de trabalho (ver Las consecuencias económicas del boicot a Venezuela).

Estes são apenas algumas das sanções atuais e que mostram seu fracasso como proposta de atuação internacional. Muitas outras mundo afora poderiam ser citadas, como Congo, Coreia do Norte, Lebanon, Rússia e Somália. Somente dos Estados Unidos para outros países hoje são 19 os atingidos (ver a lista aqui).

Ainda que até aqui tenha focado nas sanções econômicas dos Estados Unidos contra outros países, eles não são os únicos. A União Europeia também tem implementado esse mesmo tipo de estratégia, com os mesmos limites de eficácia.

Ao olharmos para a condição brasileira, não é nada confortável em termos de potencial de sanções e embargos. Potencialmente enfrentaremos grandes problemas numa possível eleição de Joe Biden nos EUA, basta olhar suas declarações sobre as políticas brasileiras e o comportamento de outros governos democratas ao longo das últimas décadas.

At the same time, ao olharmos recentes declarações vindas da União Europeia e de países europeus, vemos que o cenário também é bem desconfortável. Nossa atual política ambiental é um dos grandes focos de críticas e ameaças de sanções, mas não só, já tivemos problemas por conta de direitos humanos.

Não se trata aqui de defender a nossa política ambiental (what, em minha opinião, atualmente é desastrosa), mas de sinalizar que sanções comerciais e embargos não devem ser considerados como possibilidades. Ao final os governos pouco alterarão de suas políticas e que sofrerá as consequências, são os cidadãos.

Website | + posts

Post-Doctorate in Territorial Competitiveness and Creative Industries, by Dinâmia - Center for the Study of Socioeconomic Change, of the Higher Institute of Labor and Enterprise Sciences (ISCTE, Lisboa, Portugal). PhD in International Relations from the University of Brasília (2007), Master in Political Science from the University of São Paulo (2001) and Bachelor of International Relations from the Pontifical Catholic University of São Paulo (1998).