“Scox” is in sight! or is it not?

In day 6 of April, os escoceses foram às urnas para formar a composição do parlamento. O separatista Partido Nacional Escocês (SNP), o mesmo da atual primeira ministra Nicola Sturgeon, que rendeu um quarto mandato consecutivo para o partido com essa vitória, conseguiu um total de 64 cadeiras das 129 existentes no parlamento. O também separatista Partido Verde Escocês conseguiu 8 chairs, formando assim um bloco de 72 parlamentares pró independência, cuja principal plataforma é a própria saida do Reino Unido e o retorno para a União Europeia.

A primeira ministra da Escócia, Nicola Sturgeon, telefonou para o premiê britânico Boris Johnson pouco após o resultado, no telefonema afirmou a ele que agora o referendo de independência é uma questão de quando e não de se, afirmou também que não existe justificativa democrática para se impedir que o povo escocês decida o próprio fututo. still, a permissão legal para que se tenha uma consulta popular legítima deve partir de Londres, sendo que o premiê conservador é um forte opositor da ideia, tendo a julgado como irresponsável e imprudente.

In 2014, na última vez em que os escoceses votaram para decidir se permaneceriam ou não no Reino Unido, 55% optaram por ficar. However, o cenário mudou quando o Brexit foi votado. Por volta de 62% optaram pela permanência do Reino Unido na UE, fazendo com que o debate sobre votar o “scoxit” novamente ganhasse corpo na sociedade do país. O próprio SNP enxerga no resultado do Brexit uma justificativa para que seja realizado um novo plebiscito, para o partido, a retirada da Escócia do bloco vilipendiou a vontade do povo escocês, o que dignifica fazê-lo outra vez.

No discurso de vitória, Nicola Sturgeon garantiu que estão reunidas as condições para que a Escócia seja mais uma vez consultada, mas garantiu que antes de organizar o evento irá se concentrar em superar a crise sanitária causada pelo coronavírus. Além da questão da pandemia, há o posicionamento contrário de Boris Johnson, o cabo de guerra entre os chefes de governo pode fazer o embate ser levado aos tribunais, por esses fatores, não há expectativa de que a consulta ocorra em breve caso ela seja autorizada.

Uma vez que a Escócia conseguir se emancipar, terá que seguir o mesmo procedimento de solicitação de adesão que qualquer outro país que deseja aderir à UE deve seguir, sendo que a fila de países é grande e o processo é longo. As instituições estatais deverão ser reformuladas e há de se resolver certas questões políticas e econômicas, how: ter o próprio banco central, os próprios ministérios, os próprios órgãos públicos, qual seria a sua moeda, como ficariam as suas fronteiras com o Reino Unido, teria de se resolver a questão do seu déficit público que é maior que o do Reino Unido como um todo (sendo mais elevado do que normalmente é permitido pela UE). Do lado europeu, cabe avaliar se as novas instituições escocesas se encontrarão dentro dos padrões do bloco, vale ressaltar que a admissão deve ser aceita por todos os Estados membros, aqueles que também possuem movimentos separatistas possivelmente não serão receptivos.

Thereby, a questão separatista cria um dilema para a nação escocesa, no qual entra em questão se seria mais vantajoso participar de um mercado único relativamente menor, porém com uma organização que prevê mais transferências fiscaisalém de ser seu maior parceiro comercialou arriscar se tornar independente e voltar a ser membro da super união política. Logo, isso leva à conclusão de que há apenas incertezas pelo caminho: sobre a realização do referendo, qual será seu resultado e se a UE aceitará a volta de uma Escócia independente.

REFERENCES

Eleições na Escócia. Parlamento reforçou maioria pró-independência. Available in: <https://sicnoticias.pt/mundo/2021-05-08-Eleicoes-na-Escocia.-Parlamento-reforcou-maioria-pro-independencia-40478a70>.

PRESSE, F. Partido pró-independência vence eleições legislativas na Escócia e exige referendo sobre o tema. Available in: <https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/05/08/independentistas-na-escocia-vencem-eleicoes-e-exigem-referendo-sobre-a-independencia.ghtml>. Access in: 13 May. 2021.

PERRIGO, B. Scotland’s Nationalists Won a Big Election. Is Independence Next? Available in: <https://time.com/6047206/scottish-elections-independence/>. Access in: 13 May. 2021.

OSWALD, V. Primeira eleição na Escócia desde o Brexit mede adesão à proposta de independência. Available in: <https://oglobo.globo.com/mundo/primeira-eleicao-na-escocia-desde-brexit-mede-adesao-proposta-de-independencia-25004493>. Access in: 13 May. 2021.

Escoceses vão às urnas entre esperança de independência e divisão. Available in: <https://www.istoedinheiro.com.br/escoceses-vao-as-urnas-entre-esperanca-de-independencia-e-divisao/>. Access in: 13 May. 2021

BURCHARD, H. Haste Ye Back! How Scotland could return to the EU. Available in: <https://www.politico.eu/article/haste-ye-back-how-scotland-could-rejoin-the-european-union/>. Access in: 13 May. 2021.

Eleições escocesas abrem caminho à independência. Available in: <https://pt.euronews.com/2021/05/10/eleicoes-escocesas-abrem-caminho-a-independencia>. Access in: 13 May. 2021.

Authors: Ana Carolina Olmedo e Pedro Soares

+ posts

The European Studies and Business Center (NENE) is linked to the Brazilian Center for International Business Studies & Corporate Diplomacy (CBENI) from ESPM-SP. It was created considering the need to stimulate the Brazilian and Latin American academic community to better understand their relations with Europeans, seeking to understand and deepen the Brazil-European Union Strategic Partnership.