Antes tarde…

A notícia segundo a qual o Itamaraty parece estar finalmente olhando para a Ásia com maior interesse merece todo o apoio.

Ainda que tardia, esta aproximação não é somente necessária, mas imprescindível.Já perdemos muito tempo assistindo passivamente – enclausurados e alienados – a transferência do eixo geoeconômico (e geopolítico ?) para a região do Pacífico. Com a aceleração deste processo e o paulatino distanciamento dos “grandes heróis do século XX” – leia-se EUA e Europa Central – da liderança mundial, temos de criar ímpeto – e coragem (?) – para enfrentarmos um universo que desconhecemos quase que inteiramente. Mas não podemos nos dar ao luxo de postergarmos mais este processo.

Entretanto, a Ásia não é, decididamente, para neófitos. Nos meus quase dezesseis anos de vivência por onze países daquele Continente, a primeira lição que pude aprender – se é que apreendi realmente…- é a necessidade de borrarmos a fronteira que separa os nossos conceitos e as nossas “verdades ocidentais” de uma realidade plurimilenar e de grande complexidade (a exemplo, aliás, de se definir o que é “América Latina”…).

O desafio é civilizacional, mais que tudo! Parece tautológico, mas não é. A superficialidade com que jogamos no mesmo balaio, por exemplo, afegãos paquistaneses, bengaleses e cazaques, todos muçulmanos, na imensa maioria – acreditando que o Islã é o mesmo para todos. é confundir a burka afegã com a minissaia cazaque. Sim, ambas existem – testemunhei – e vestem mulheres das duas culturas. Ou achar que o zen-budismo “Mahayana” sincrético japonês se assemelha ao budismo “theravada” birmanês: outro engano. Buda é o mesmo, mas os caminhos para o “Nirvana” são distintos, ainda que levem ao mesmo destino…

Mas, será que isto é importante???

Para mim, é fundamental, até na escolha dos parceiros asiáticos mais promissores para nós. Leio, por exemplo, na matéria do Estadão que o roteiro escolhido para a visita (adiada por este momento) que o Chanceler Aloysio Nunes tenciona(va) cumprir incluí(a) a China, a Coreia do Sul, a Indonésia, o Japão, Cingapura, a Tailândia e o Vietnã. Ou seja, um roteiro óbvio, a meu ver, ainda que importante…é preciso começar por algum ponto.

Mas notei que alguns países que maiores oportunidades poderiam apresentar para nós estão ausentes.Refiro-me, por exemplo, a três deles – Bangladesh, Filipinas e Cazaquistão – que estão assumindo um papel cada vez mais relevante na geoeconomia regional, e mundial: o “Goldman Sachs” incluiu os dois primeiros entre os “Next Eleven” – sucessores dos BRICS ; além disto, as Filipinas foram o pais que mais cresceu no planeta no ano passado!. O Cazaquistão, de sua parte, detém algumas das maiores reservas de minérios e de petróleo em todo o planeta, e é um dos principais eixos no roteiro da “Nova Rota da Seda” que os chineses querem criar ligando toda a Eurásia.

Vale muito o esforço do M.R.E. E já não é sem tempo. Mas acho que está faltando uma reflexão mas aprofundada sobre o(s) roteiro(s), a fim de irmos além do itinerário “evidente” (talvez numa próxima etapa). Isto me leva a pensar: estamos devidamente preparados para este esforço? Estaria o nosso empresariado convencido desta necessidade? Já temos suficiente conhecimento e massa crítica para negociar com civilizações tão distintas?

Isto é uma outra história, e uma lição que aprenderemos ao longo do processo, caso, “latinamente”, não nos desencorajemos diante do desafio.

Vale a iniciativa para o próximo governo, como diz a matéria. Aliás.mas do que Isto: é FUNDAMENTAL!


Itamaraty quer ampliar relações com a Ásia

Brasil vai iniciar negociação com a Coreia do Sul; exportação para 4 países soma US$ 8 bi

Lu Aiko Otta, O Estado de S.Paulo | 12 Maio 2018 | 04h00

De olho nos estudos que apontam a Ásia como o “centro de gravidade da economia global” daqui a três décadas, o Itamaraty já começou um trabalho mais estruturado para fortalecer as relações com os países da região, para além de parceiros tradicionais como Japão e China. O chanceler Aloysio Nunes faz um giro pelo continente desde o início desta semana. O roteiro inclui China, Coreia do Sul, Indonésia, Japão, Cingapura, Tailândia e Vietnã.

O ponto alto será o lançamento oficial das negociações do acordo Mercosul–Coreia do Sul, no dia 23. A iniciativa, que causa preocupação em segmentos da indústria nacional por causa da perspectiva de maior concorrência com produtos de tecnologia produzidos naquele país, faz parte do esforço do bloco sul-americano em buscar novas parcerias comerciais.

O ministro da Indústria, Comércio Exterior e Serviços, Marcos Jorge, viajará para a Coreia no final da semana que vem para o lançamento das negociações. “Vamos dialogar e negociar com a devida cautela”, disse ele ao Estadão/Broadcast.

Mas há interesse também nos demais países da região. Só para Cingapura, Indonésia, Tailândia e Vietnã, países que o presidente Michel Temer estaria visitando caso não tivesse desistido por causa de problemas na política interna, o Brasil exportou US$ 8 bilhões no ano passado. Somados, eles seriam o quinto principal parceiro comercial do Brasil, atrás de China, Estados Unidos, Argentina e Holanda, que é o ponto de entrada de produtos para a União Europeia.

Na semana passada, Aloysio autorizou a implantação do Sistema de Planejamento Estratégico das Relações Exteriores (Sisprex). Os diplomatas vão elaborar, até o fim de 2018, um planejamento-piloto usando esse sistema. O trabalho, que tem a Ásia como um dos focos, poderá ser aproveitado pelo próximo governo.

Além de sistematizar o trabalho da pasta, o estabelecimento de metas e resultados responde a questionamentos do Tribunal de Contas da União (TCU), que tem cobrado retornos à sociedade do dinheiro público gasto no Itamaraty. Por ser um trabalho feito nos bastidores, cujos resultados aparecem de forma diluída e no médio e longo prazos, o trabalho dos diplomatas é mais difícil de medir do que, por exemplo, a construção de estradas.

“Muitas vezes, nosso trabalho é evitar problemas”, disse ao Estado o secretário de Planejamento Diplomático, Benoni Belli. Como transformar isso em um indicador de sucesso é um desafio para chancelarias do mundo inteiro.

O projeto-piloto não está pronto, mas vai prever um foco especial na Ásia, informou Belli. Ele cita alguns dados coletados pelo Itamaraty que justificam essa direção.

Demanda. Um relatório publicado em 2012 pela Inteligência dos EUA diz que até 2030 o continente terá mais poder do que EUA e Europa juntos, levando-se em conta a população, o Produto Interno Bruto (PIB), gastos militares e investimentos em tecnologia. A classe média da região saltará de 525 milhões de pessoas em 2009 para 3,3 bilhões em 2030 e será responsável por 80% do aumento da demanda no período.

A região cresce a taxas de 5% ao ano há uma década. A Ásia integra um ambicioso projeto de integração física e econômica com o Oriente Médio e a Europa, que envolve 65 países e prevê investimentos de US$ 4 trilhões a US$ 8 trilhões.

Originalmente publicado em http://economia.estadao.com.br/noticias/geral,itamaraty-quer-ampliar-relacoes-com-a-asia,70002305401

 

Fausto Godoy
Doutor em Direito Internacional Público em Paris. Ingressou na carreira diplomática em 1976, serviu nas embaixadas de Bruxelas, Buenos Aires, Nova Déli, Washington, Pequim, Tóquio, Islamabade (onde foi Embaixador do Brasil, em 2004). Também cumpriu missões transitórias no Vietnã e Taiwan. Viveu 15 anos na Ásia, para onde orientou sua carreira por considerar que o continente seria o mais importante do século 21 – previsão que, agora, vê cada vez mais perto da realidade.