Fausto Godoy

Doutor em Direito Internacional Público em Paris. Ingressou na carreira diplomática em 1976, serviu nas embaixadas de Bruxelas, Buenos Aires, Nova Déli, Washington, Pequim, Tóquio, Islamabade (onde foi Embaixador do Brasil, em 2004). Também cumpriu missões transitórias no Vietnã e Taiwan. Viveu 15 anos na Ásia, para onde orientou sua carreira por considerar que o continente seria o mais importante do século 21 – previsão que, agora, vê cada vez mais perto da realidade.
A China e o mundo (IV)
Ásia, China

A China e o mundo (IV)

Wang Yi - Ministro de Relações Exteriores da China Esta é a quarta e última da série de postagens que estou fazendo da entrevista que o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Conselheiro de Estado da República Popular da China, Wang Yi, concedeu, no início deste ano, para o canal em inglês do grupo estatal “China Global Television Network”/CGTN, na qual fez uma avaliação da política externa da China ao longo de 2020 e a sua projeção para este ano e o futuro. Como mencionei antes, resolvi transcrever e traduzir a entrevista, apenas, sem qualquer interferência ou consideração de caráter pessoal, uma vez que considero importante conhecer a visão oficial que a Chancelaria chinesa tem do papel que entende ser o da China, e o seu próprio, nas relações internacionais. E assim como nas pos...
A China e o mundo (III)
Ásia, China

A China e o mundo (III)

Wang Yi – Ministro das Relações Exteriores da China RELAÇÕES COM A UNIÃO EUROPEIA, A ASSOCIAÇÃO DAS NAÇÕES DO SUDESTE ASIÁTICO (ASEAN), A ÁFRICA, O ORIENTE MÉDIO E A PENÍNSULA COREANA Esta é a terceira da série de postagens que estou fazendo da entrevista que o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Conselheiro de Estado da República Popular da China, Wang Yi, concedeu, no início deste ano, para o canal em inglês do grupo estatal “China Global Television Network”/CGTN, na qual fez uma avaliação da política externa da China ao longo de 2020 e a sua projeção para este ano e o futuro. Penso que este tema é do maior interesse – e importância – para todos os que se interessam por política externa. Por esta razão, resolvi transcrever e traduzir a entrevista, apenas, sem qualquer interfer...
A China e o mundo (II)
Ásia, China

A China e o mundo (II)

Wang Yi - Ministro de Relações Exteriores da China RELAÇÕES COM A RÚSSIA E O ESTADOS UNIDOS Prosseguindo com a postagem da entrevista, no primeiro dia deste ano, do Ministro dos Negócios Estrangeiros e Conselheiro de Estado da República Popular da China, Wang Yi, para o canal em inglês do grupo estatal “China Global Television Network”/CGTN, em que fez uma avaliação da política externa do país ao longo de 2020 e sua projeção para este ano, e o futuro, repasso agora as observações que fez sobre o relacionamento da China com a Rússia e os Estados Unidos. Como mencionei na postagem anterior – sobre a China e a Covid-19 - decidi transcrever e traduzir, apenas, a conversa, sem qualquer interferência ou consideração de caráter pessoal, uma vez que me pareceu importante conhecer a visão...
A China e o Mundo (I)
Ásia, China

A China e o Mundo (I)

Wang Yi - Ministro das Relações Exteriores da China No primeiro dia deste ano, o Ministro dos Negócios Estrangeiros e Conselheiro de Estado da República Popular da China, Wang Yi, concedeu uma longa entrevista para o canal em inglês do grupo estatal “China Global Television Network”/CGTN, que está sob o controle do Departamento de Publicidade do Partido Comunista da China, na qual fez uma extensa avaliação da política externa do país ao longo de 2020 e sua projeção para este ano, e o futuro. Acredito que este tema é do maior interesse – e importância – para todos os que se interessam por política externa e pela China/Ásia. Por esta razão, resolvi transcrever a conversa. Limitei-me a traduzir, apenas, sem qualquer interferência ou consideração de caráter pessoal, uma vez que é import...
O Japão e a economia verde
Ásia, Japão

O Japão e a economia verde

O Primeiro-Ministro do Japão, Yoshihide Suga, anunciou ontem, 27 de dezembro, um plano para tornar o país livre de carbono até 2050 e alternativamente incentivar as empresas do setor de energia a paulatinamente se concentrarem no uso das energias renováveis e em hidrogênio. Suga prometeu alcançar zero emissões líquidas de carbono em 30 anos. Para isto, ele instou as empresas automobilísticas japonesas, de grande penetração em todo o planeta, a se “tornarem livres de carbono até 2030”. Como consequência, os veículos movidos a petróleo serão eliminados, segundo o governo, em cerca de quinze anos. Em contrapartida, tal iniciativa deverá gerar quase US$ 2 trilhões em negócios e investimentos “verdes”, como afirmou. Suga já havia anunciado este propósito num discurso político em outubro...
A Índia em comoção
Ásia, Índia

A Índia em comoção

INDRANIL MUKHERJEE/AFP/Getty Images Um conjunto de três leis promulgadas pelo governo indiano em setembro deste ano, regulamentando o processo de comercialização de cereais está mobilizando a população rural da Índia. Em volume cada vez maior, manifestantes avançam em direção a Nova Delhi exigindo a revogação dos três documentos que foram aprovados coletivamente pelas duas casas legislativas - o Lok Sabha (Câmara Baixa), no dia 17, e o Rajya Sabha (Câmara Alta) - em 20 de setembro. Eles modificam o processo tradicional de comercialização de cereais que até então era feito através do “Comitê de Mercado de Produção Agrícola” (APMC), conselho criado pelos governos estaduais para garantir que os agricultores fossem protegidos da exploração pelos grandes varejistas. Os APMCs são atualmente ...
E la nave va… retorno ao mundo bipolar?
Ásia, Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Myanmar, Singapura, Tailândia, Vietnam

E la nave va… retorno ao mundo bipolar?

Após oito anos de negociações, e por vídeo-conferência em razão da pandemia da COVID-19, treze países da Ásia e dois da Oceania firmaram, no dia 15 deste mês de novembro, a “Parceria Regional Econômica Abrangente”/RCEP. Por ela se comprometeram a alavancar as relações de livre-comércio na região da Ásia-Pacífico. O documento, que uniu os dez países–membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático/ASEAN- Indonésia, Malásia, Filipinas, Brunei, Camboja, Singapura, Laos, Myanmar, Tailândia e Vietnã - e os cinco parceiros da Área de Livre Comércio (ALC) da associação – China, Japão, Austrália, Nova Zelândia e Coreia do Sul – prevê a redução de tarifas e a abertura do comércio de serviços em todo o bloco. A Índia, que participou das negociações, decidiu não aderir nesta etapa pelas c...
A República Popular da China e o seu 14º Plano Quinquenal
Ásia, China

A República Popular da China e o seu 14º Plano Quinquenal

Líderes do Partido Comunista da China em cerimônia de aprovação do Plano Quinquenal Desde que arrebatou o poder na China, em 1949, o Partido Comunista Chinês assumiu o protagonismo no estabelecimento dos fundamentos do comunismo “a la chinesa” e definiu monocraticamente as estratégias de desenvolvimento e reformas através de metas. Paulatinamente, elas modificaram o perfil da República Popular que, de uma economia maoísta centralizada até 1976, encaminhou-se para a “economia socialista de mercado”, que Deng Xiaoping “neologicamente” cunhou para qualificar o processo de reformas e abertura deslanchado a partir de 1979 na busca de romper o isolamento multissecular do país e inseri-lo no mundo do último quartel do século XX. Cabe lembrar que neste processo, já a partir de 1953 passaram...
A Ásia de Joe Biden
Américas, Ásia, BRICS, China, Estados Unidos, Índia, Organizações Internacionais, Temas Globais

A Ásia de Joe Biden

Joe Biden (Presidente dos EUA) e Xi Jinping (Presidente da China) em um encontro na China em 2013 - AP Photo Lintao Zhang A Ásia tem sido tradicionalmente um enigma para as administrações americanas, que encontram na região parceiros – ou não – da dimensão de China, Índia, Japão e Coreia do Sul, gigantes econômicos cuja longa história compartilhada revela nuances e apresenta desafios que ultrapassam o ideário simplista do Ocidente “Trump style”. De sua parte, ao longo do século passado, os países asiáticos elegeram a segurança regional como prioridade no relacionamento com os Estados Unidos. Desde o término da II Guerra, os americanos assumiram o compromisso de velar pela manutenção da paz no leste do Pacífico. Este compromisso é antes de Estado que de governo, como comprova o “Taiw...
A respeito da China e o futuro da economia mundial
Ásia, BRICS, China, Organizações Internacionais

A respeito da China e o futuro da economia mundial

O título da matéria de Celso Ming, na edição de hoje do Estadão, é “A China já é a maior economia do mundo”. Nada que os analistas informados – e menos pré-conceituosos – já não tivessem como fato concreto: para eles, não era “se”, mas “quando” isto aconteceria... Na realidade, o cálculo que levou Ming a fazer tal afirmação teve como critério o “Produto Interno Bruto pela Paridade de Poder de Compra” (PPC), ou seja, “o quanto um país pode comprar em bens e serviços com sua moeda”. Este parâmetro já vem sendo utilizado, aliás, pelo Fundo Monetário Internacional, pelo Banco Mundial e pela própria agência de inteligência americana, a CIA, para medir grandezas relacionadas à renda. Para ele, este referencial reflete melhor a economia real do que dados como “PIB nominal”, que computa a riq...