ISSN 2674-8053

Autor: Fausto Godoy

Doutor em Direito Internacional P√ļblico em Paris. Ingressou na carreira diplom√°tica em 1976, serviu nas embaixadas de Bruxelas, Buenos Aires, Nova D√©li, Washington, Pequim, T√≥quio, Islamabade (onde foi Embaixador do Brasil, em 2004). Tamb√©m cumpriu miss√Ķes transit√≥rias no Vietn√£ e Taiwan. Viveu 15 anos na √Āsia, para onde orientou sua carreira por considerar que o continente seria o mais importante do s√©culo 21 ‚Äď previs√£o que, agora, v√™ cada vez mais perto da realidade.
A saga da √ćndia (Artigo 3) – a vizinhan√ßa com o Paquist√£o
√Āsia, √ćndia, Paquist√£o

A saga da √ćndia (Artigo 3) – a vizinhan√ßa com o Paquist√£o

Continuando o exerc√≠cio de olhar para a √ćndia, acho importante agora recapitular resumidamente a sua politica para com a vizinhan√ßa imediata e as diretrizes que nortearam ‚Äď e norteiam ‚Äď as suas rela√ß√Ķes com o Paquist√£o.  Se olharmos para o mapa do pa√≠s veremos que o subcontinente indiano √© um territ√≥rio fechado sobre si mesmo: ao norte, a cordilheira dos Himalaias constitui uma barreira natural, e ao sul, o Mar da Ar√°bia, o Oceano √ćndico e a Ba√≠a de Bengala atuam como fronteiras mar√≠timas. Isto tem import√Ęncia maior que a meramente cartogr√°fica, porque define o car√°ter √ļnico da civiliza√ß√£o indiana.  Ainda que isolada pela geografia, a √ćndia sofreu a influ√™ncia dos povos que adentraram o seu territ√≥rio ao longo dos mil√™nios e vieram somar-se √† popula√ß√£o drav√≠dica ancest...
A saga da √ćndia (Artigo 2) – Pol√≠tica e Religi√£o
√Āsia, √ćndia

A saga da √ćndia (Artigo 2) – Pol√≠tica e Religi√£o

Continuando o meu relato sobre a emerg√™ncia da √ćndia como grande pot√™ncia, gostaria de tratar agora do esp√≥lio pol√≠tico de Rajiv Gandhi e dos (des)caminhos percorridos pelo ‚ÄúIndian National Congress‚ÄĚ que conduziriam o ‚ÄúBharatya Janata Party ‚Äú/BJP ao poder. Recapitulando...com a morte de Rajiv Gandhi, em 1991, interrompia-se a linha ‚Äúdin√°stica‚ÄĚ Nehru/Gandhi na lideran√ßa do pa√≠s. Seus dois filhos, Rahul e Priyanka, eram adolescentes; portanto, ainda n√£o havia condi√ß√Ķes de o ‚ÄĚIndian National Congress‚ÄĚ os alavancar a posi√ß√Ķes pol√≠ticas. Restava, por√©m, a esposa italiana de Rajiv, Sonia, que sofria, ent√£o, rejei√ß√£o de parte dos ‚Äúpatronos‚ÄĚ do partido, por ser mulher e estrangeira. Nascida num vilarejo perto de Vicenza, na regi√£o italiana do Veneto, ela conhecera Rajiv quando ambo...
A saga da √ćndia (Artigo 1)
√Āsia, √ćndia

A saga da √ćndia (Artigo 1)

A HIST√ďRIA... A recente visita do Primeiro-Ministro da √ćndia, Narendra Modi, aos Estados Unidos, coroou a imagem de pot√™ncia maior, que atualmente somente os Estados Unidos e a China desfrutam perante a opini√£o p√ļblica internacional. Modi foi recebido com honras concedidas pelos americanos somente aos maiores l√≠deres mundiais. Foi-lhe dado tratamento de Chefe de Estado, embora ele seja chefe de governo. Como noticiou o ‚ÄúThe Economist‚ÄĚ, ‚Äú...Modi se tornou um dos poucos l√≠deres estrangeiros, juntamente com Winston Churchill, Nelson Mandela e Volodmir Zelenski a comparecer a uma sess√£o conjunta do Congresso mais de uma vez‚ÄĚ... Ainda segundo o jornal ingl√™s ‚Äú...a influ√™ncia global do gigante sul-asi√°tico aumenta rapidamente. Sua economia √© a quinta maior do planeta. Sua di√°spor...
E o Vietn√£, hein?
√Āsia, Vietnam

E o Vietn√£, hein?

Foto Henri Cartier-Bresson / Magnum Pouco tenho lido a respeito do Vietn√£ nos nossos meios de comunica√ß√£o. Escolhi tratar dele quando li o artigo do ‚ÄúThe Diplomat‚ÄĚ deste m√™s, intitulado ‚ÄúRemembering Vietnam¬īs Great Famine‚ÄĚ, de autoria da analista franco-vietnamita Christelle Nguyen. Contextualizando, O Banco de Investimentos ‚ÄúGoldman Sachs‚ÄĚ, o mesmo que num estudo de 2001 do seu ent√£o economista-chefe, Jim O¬īNeil, intitulado ‚ÄúBuilding Better Global Economic BRICs‚ÄĚ, formulou o conceito das economias emergentes que sucederiam as avan√ßadas no protagonismo da globaliza√ß√£o, lan√ßou, em 2005, o conceito dos ‚ÄúNext Eleven‚ÄĚ, o conjunto de onze pa√≠ses com potencial para figurar juntamente com os BRICS entre as maiores economias neste s√©culo. Os crit√©rios adotados foram fatores como estabili...
O Jap√£o e a √ćndia: uma parceria indispens√°vel?
√Āsia, √ćndia, Jap√£o

O Jap√£o e a √ćndia: uma parceria indispens√°vel?

PTI No dia 20 de mar√ßo, o Primeiro-Ministro do Jap√£o, Fumio Kisihida, realizou uma visita oficial √† √ćndia. Em Nova Delhi ele fez uma palestra no influente ‚ÄúIndian Council for World Affairs‚ÄĚ, intitulado ‚ÄúO Futuro do Indo-Pac√≠fico ‚Äď Novo Plano do Jap√£o para um Indo-Pac√≠fico Livre e Aberto‚ÄĚ junto com a √ćndia: uma Parceira Indispens√°vel‚ÄĚ. Foi quando anunciou um plano abrangente para a regi√£o intitulado ‚ÄúIndo-Pac√≠fico Livre e Aberto‚ÄĚ /FOIP. Ele relembrou que este projeto, que visa interligar pol√≠tica e economicamente os oceanos Pac√≠fico e √ćndico, havia sido proposto por ele, em 2015, perante a mesma audi√™ncia, seguindo a vis√£o do ent√£o Primeiro-Ministro Shinzo Abe, de quem era Ministro das Rela√ß√Ķes Exteriores. Para este √ļltimo, o Jap√£o e a √ćndia deveriam liderar conjuntamente a regi√£o, e...
Lula, a R√ļssia, a Ucr√Ęnia e a Otan
Am√©ricas, Brasil, Europa, R√ļssia, Ucr√Ęnia

Lula, a R√ļssia, a Ucr√Ęnia e a Otan

¬© Ricardo Stuckert/PR Radicalizando a pol√™mica... Sorry...este texto √© longo e controverso...Refleti muito at√© decidir escrever sobre as afirma√ß√Ķes do Presidente Lula a respeito da guerra da Ucr√Ęnia. Primeiramente porque me comprometi a me manifestar somente sobre a √Āsia, que √© a ‚Äúminha praia‚ÄĚ... ‚ÄúSegundamente‚ÄĚ, porque sei que estou ‚Äúcutucando o boi com vara curta‚ÄĚ... Mas a minha consci√™ncia me leva a tentar analisar da maneira mais isenta poss√≠vel de qualquer vi√©s ‚Äúideol√≥gico‚ÄĚ (?) as declara√ß√Ķes que Lula tem feito a respeito do tema. A grande maioria dos indiv√≠duos ‚Äúbem pensantes‚ÄĚ concorda em que o que est√° acontecendo naquela regi√£o √© uma trag√©dia inomin√°vel...Tamb√©m penso assim...Mas, para a maioria deles, a afirma√ß√£o do Presidente Lula de que ‚Äúa Ucr√Ęnia tamb√©m √© respons√°vel p...
Tempo quente no Mar do Sul da China
√Āsia, China

Tempo quente no Mar do Sul da China

A imprensa internacional noticiou a expans√£o, a partir de ontem, 11/04, dos exerc√≠cios das for√ßas armadas dos Estados Unidos nas Filipinas. Segundo o Estad√£o, estas seriam ‚Äúas maiores manobras de guerra da Hist√≥ria da regi√£o do Indo-Pac√≠fico‚ÄĚ, reunindo mais de 17 mil soldados, e observadores militares do Jap√£o e Austr√°lia ao largo do arquip√©lago das Spratlys, no Mar do Sul da China. O objetivo seria monitorar os confrontos que se est√£o ali agu√ßando sobretudo diante da alegada investida dos chineses na regi√£o. O bom relacionamento do atual Presidente filipino, Ferdinand Marcos Jr. - filho do Ferdinand Marcos que dominou a vida pol√≠tica das Filipinas ao longo da segunda metade do s√©culo XX - com os americanos, propiciou a iniciativa. S√≥ que...estas ilhas s√£o, juntamente com as Ilhas ...
A √ćndia na encruzilhada
√Āsia, √ćndia

A √ćndia na encruzilhada

A mat√©ria recente do Estad√£o ‚ÄúChina, √ćndia e a nova ordem mundial‚ÄĚ, d√° o tom para estas minhas reflex√Ķes: a chamada afirma que ‚Äúa competi√ß√£o entre uma China poderosa, mas em decl√≠nio populacional e uma √ćndia em ascens√£o mas com graves atrasos a superar, impactar√° a ordem econ√īmica e geopol√≠tica‚ÄĚ. Instigante, sim, mas √≥bvio?...√Č reconfortante ter-se vivido muito para poder refletir de maneira serena a respeito da imperman√™ncia e a transi√™ncia do poder mundial. Quando nasci, em junho de 1945, o ‚Äúhegemon‚ÄĚ planet√°rio era...a Gr√£-Bretanha (‚Äúthe sun never sets on the British Empire‚ÄĚ, remember?)! S√≥ que naquele exato momento a Europa, dilacerada pela II Guerra Mundial, iniciava a contragosto a desconstru√ß√£o do imp√©rio colonial que fizera a sua fortuna ao longo dos s√©culos XVIII e XIX. Pri...
Jap√£o: com licen√ßa, o rob√Ķ vai passar‚Ķ
√Āsia, Jap√£o

Jap√£o: com licen√ßa, o rob√Ķ vai passar‚Ķ

Foto: cole√ß√£o particular Fausto Godoy O Estad√£o publicou recentemente uma mat√©ria intitulada ‚ÄúJap√£o investe em rob√īs ‚Äúsimp√°ticos‚ÄĚ para fazer entregas‚ÄĚ, referindo-se a uma lei de tr√Ęnsito que entra em vigor em abril deste ano autorizando a circula√ß√£o de rob√īs de ‚Äúdelivery‚ÄĚ aut√īnomos,. Seus criadores, a companhia de rob√≥tica ZMP, est√£o confiantes de que eles ajudar√£o, por exemplo, na presta√ß√£o de servi√ßos a idosos sobretudo em √°reas rurais pouco povoadas. Alertam que eles ser√£o monitorados por controle remoto e por pessoas que poder√£o intervir se necess√°rio. A ZMP considerou importante que eles sejam ‚Äúhumildes e encantadores, para inspirar confian√ßa‚ÄĚ... A empresa j√° saiu em campo e fez parceria com gigantes empresariais, como a ‚ÄúJapan Post Holdings‚ÄĚ, que ir√£o testar esses rob√īs em T√≥quio...
O dilema da China
√Āsia, China

O dilema da China

A popula√ß√£o da Rep√ļblica Popular da China decresceu em 2022 para 1,411 bilh√£o, uma queda de cerca de 850.000 pessoas em rela√ß√£o ao ano anterior, anunciou o ‚ÄúEscrit√≥rio Nacional de Estat√≠sticas da China‚ÄĚ/NBS durante um ‚Äúbriefing‚ÄĚ no √ļltimo dia 19/01. A √ļltima vez que fato semelhante ocorreu foi na d√©cada de sessenta, quando a pol√≠tica desastrosa de Mao Zedong de impor a industrializa√ß√£o for√ßada do pa√≠s atrav√©s da pol√≠tica do ‚ÄúGrande Salto em Avan√ßo/ para a Frente‚ÄĚ, entre 1958 e 1960, com a pretens√£o de transformar a Rep√ļblica Popular numa na√ß√£o desenvolvida e socialmente igualit√°ria em tempo recorde, atrav√©s de uma reforma agr√°ria for√ßada e da industrializa√ß√£o urbana, sobretudo da siderurgia, teve como consequ√™ncia funesta a m...