ISSN 2674-8053

Américas

A ideologização da política externa brasileira: por que precisamos nos relacionar com todos?
Américas, Argentina, Bolívia, Brasil, Chile, Equador, Peru

A ideologização da política externa brasileira: por que precisamos nos relacionar com todos?

Foto: MARTIN BERNETTI/AFP/GETTY IMAGES / BBC News Brasil O presidente Jair Bolsonaro afirmou que não comparecerá à posse do presidente eleito no Chile, Gabriel Boric. A cerimônia de posse está agendada para o dia 11/03 e facilmente permitiria a ida de Bolsonaro, prestigiando o governo chileno. A razão dessa recusa está na posição política do Boric, que é de esquerda. Não é a primeira vez que Bolsonaro se recusa a ir a uma posse presidencial de um país latino-americano. Em 2019 Bolsonaro não foi à posse do argentino Alberto Fernández (note-se que nos 17 anos anteriores os presidentes brasileiros foram à cerimônia de posse, dada a importância do país para as relações internacionais brasileiras). Em 2020 Bolsonaro também não foi à posse do boliviano Luis Arce, sequer enviando um repres...
A não-intervenção externa em eleições e o Brasil
Américas, Brasil, Chile

A não-intervenção externa em eleições e o Brasil

Presidente eleito do Chile, Gabriel Boric No último domingo (19/12/2021) o novo presidente chileno foi eleito. Depois de uma disputa acirrada entre um representante da esquerda e outro da direita, o vitorioso foi Gabriel Boric, deputado da esquerda e ex-líder estudantil. As eleições foram marcadas por problemas como a dificuldade de transporte público para as pessoas votarem, levando prefeituras a disponibilizarem carros oficiais para que as pessoas pudessem votar. Acusações de lado a lado sobre a responsabilidade e os impactos sobre o resultado eleitoral foram disparadas. No entanto, o resultado foi aceito por todos. Esse caso é apenas mais um exemplo das diferenças entre os processos democráticos encontrados mundo a fora. Não são apenas as regras do jogo válidas em cada país, tamb...
Crise Belarus e o preço da comida no Brasil
Américas, Bielorússia, Brasil, Europa

Crise Belarus e o preço da comida no Brasil

A Bielorrússia, também conhecida como Belarus, é um dos principais exportadores mundiais de Cloreto de Potássio, utilizado na fabricação de fertilizantes, porém, a crise política instaurada no país está dificultando a exportação deste produto, afetando, desta forma, os preços dos alimentos no Brasil. O país do leste europeu representa 20% da produção mundial de potássicos, sendo, para o Brasil a primeira fornecedora deste item. Belarus é considerada a última ditadura da Europa, tendo como presidente Alexander Lukashenko, eleito em 1994. Em maio de 2021, um jornalista opositor foi preso, após o governo ordenar que o avião em que o jornalista se encontrava pousasse em Minsk, na capital do país. Com isso, países como Reino Unido, Canadá, EUA e entre outros, decidiram sancionar a econo...
COP26, é preciso ir além do aquecimento global
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

COP26, é preciso ir além do aquecimento global

Fonte Wikipedia, novembro de 2021 O mundo está com os olhos sobre a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, também conhecida como COP26. Ocorrendo em Glasgow, na Escócia, é uma tentativa de avançar de forma mais contundente no compromisso de preservação ambiental. Esse objetivo é particularmente importante se considerarmos que a última COP fracassou na construção de metas mais ambiciosas. O principal objetivo da COP26 é a apresentação de propostas e a determinação dos compromissos sobre a redução das emissões de gases de efeito estufa, que levam ao aquecimento global. No longo prazo o que se pretende é não ultrapassar o 1,5° de aquecimento até 2100, conforme proposto no Acordo de Paris. Ao colocarmos o foco da análise sobre o impacto da atividade humana sobre ...
China e Estados Unidos: a “Guerra Fria” do século XXI ?
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

China e Estados Unidos: a “Guerra Fria” do século XXI ?

O ex-primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, recentemente “cantou a pedra”, segundo o analista David E. Sanger, do “New York Times” : “ uma Guerra Fria entre Pequim e Washington não é apenas possível, mas provável...” Esta declaração aguçou ainda mais as suspicácias dos analistas ocidentais. Segundo ele, é verdade “que a China está emergindo como um adversário estratégico muito maior do que a União Soviética jamais foi - uma ameaça tecnológica, uma ameaça militar e um rival econômico”. Para Sanger, “ao tempo em que Pequim está expandindo seu programa espacial, lançando mais três astronautas para sua estação espacial e acelerando seus testes de mísseis hipersônicos destinados a derrotar as defesas antimísseis americanas, os EUA anunciaram que fornecerão tecnologia de submarino n...
Exercícios militares no mar do Japão, dois pesos, duas medidas
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Europa, Japão, Rússia

Exercícios militares no mar do Japão, dois pesos, duas medidas

Formas militares da China e Rússia durante a cerimônia de abertura dos exercícios militares do mar do Japão. Foto: Xinhua No dia 14 de outubro (2021), China e Rússia realizaram exercícios navais no Mar do Japão. A ação faz parte de exercícios conjuntos que se estenderam pelos dias seguintes. Em que pese o exercício ter ocorrido em águas internacionais e ser algo recorrente desde 2012, é possível ver várias críticas por parte de políticos e da imprensa. Do lado nipo-estadunidense o que se vê é uma crítica em relação à ameaça que tais exercícios criam, já que é entendido como uma pressão militar e diplomática sobre o Japão, especialmente considerando a disputa pelo controle das ilhas Senkaku (nome japonês) ou Diaoyu (nome chinês). As ilhas são controladas pelo Japão desde a II Guerra ...
A nova aliança militar entre EUA, Reino Unido e Austrália
Américas, Ásia, Austrália, China, Estados Unidos, Europa, Oceania, Reino Unido

A nova aliança militar entre EUA, Reino Unido e Austrália

Primeiro Ministro Britânico Boris Johnson, Presidente dos EUA Joe Biden e Primeiro Ministro da Austrália Scott Morrison (Foto montagem) No dia 15 de setembro, um pronunciamento feito pelo presidente Joe Biden, com a participação virtual dos primeiros-ministros britânico, Boris Johnson, e australiano, Scott Morrison, causou protestos da China e indignação na França: EUA e Reino Unido acordavam em repassar para Austrália a tecnologia necessária para a produção local de submarinos de propulsão nuclear. Os protestos chineses são compreensíveis. Afinal, embora o nome da China não tenha sido citado em nenhum momento, é óbvio que a posse de submarinos nucleares pela Austrália tem a finalidade de conter a emergente potência asiática, detentora da maior Marinha do mundo em quantidade de meio...
O Acordo Contingente de Reservas dos BRICS como alternativa ao Brasil
Américas, Argentina, Brasil, BRICS, Organizações Internacionais

O Acordo Contingente de Reservas dos BRICS como alternativa ao Brasil

Contribuição de cada estado ao Acordo Contingente de Reservas dos BRICS. Em momentos de crise econômica global é importante que os países possam contar com rápido acesso a divisas internacionais a fim de manter sua capacidade de pagamentos internacionais. Em grande medida é essa disponibilidade de reservas que o Fundo Monetário Internacional (FMI) disponibiliza. O problema, neste caso, é que o FMI só libera os recursos mediante o compromisso e implementação de uma série de políticas de austeridade fiscal. O objetivo do FMI é garantir que o país que toma o empréstimo tenha capacidade de devolver o recurso, mas isso costuma levar a um aprofundamento da crise econômica interna (no que é chamado pelos economistas de ações pró-cíclicas). Em 2014, num movimento de criação de alternativas ...
A inserção brasileira nos blocos comerciais internacionais
Américas, Brasil, BRICS, Organizações Internacionais

A inserção brasileira nos blocos comerciais internacionais

Principais parceiros comerciais para cada estado do Brasil A integração global dos processos produtivos é uma realidade já confirmada, mas ainda não bem aproveitada pelo Brasil. Para se ter um exemplo atual da relevância da integração dos países em blocos produtivos basta olhar o caso da Inglaterra. Com sua saída (que sequer está completa) da União Europeia o que se vê é o caos produtivo e de oferta de produtos. Faltam trabalhadores, matéria-prima e produtos para serem consumidos no país, que acreditou ter uma economia autossuficiente. Por mais que não percebamos, cada produto que consumimos depende de ações realizadas nos mais diversos lugares do mundo. A integração desse processo produtivo é chamada de Cadeia Global de Valor, tendo diversas etapas produtivas até o produto final: e...
Vinte anos dos ataques de Onze de Setembro de 2001 aos Estados Unidos da América
Américas, Estados Unidos

Vinte anos dos ataques de Onze de Setembro de 2001 aos Estados Unidos da América

Para quem tem mais de trinta anos, 11 de setembro de 2001 é um dia inesquecível. Poucos são os eventos não relacionados às nossas vidas pessoais que ficam gravados na nossa memória de tal forma que nos lembramos exatamente do que estávamos fazendo quando recebemos a notícia. No meu caso há pessoal, apenas dois eventos desse tipo: a morte de Ayrton Senna e os atentados que hoje completam vinte anos. O impacto foi tamanho em razão dos 2.977 mortos, de 77 nacionalidades diferentes (inclusive 5 brasileiros) e cerca de 6 mil feridos, dos gigantescos prejuízos financeiros, da surpresa, do ineditismo, e porque, mesmo intuitivamente, as pessoas sabiam que a partir daquele momento, o mundo seria outro. Afinal, os Estados Unidos da América eram, à época, a única superpotência do planeta. Vivi...