ISSN 2674-8053 | Receba as atualizações dos artigos no Telegram: https://t.me/mapamundiorg

Américas

Neocolonialismo no século XXI: a perpetuação da desigualdade entre o Norte Global e o Sul Global
Américas, Brasil, Sul Global

Neocolonialismo no século XXI: a perpetuação da desigualdade entre o Norte Global e o Sul Global

O termo "neocolonialismo" refere-se a uma forma moderna de colonialismo onde, apesar da ausência de domínio político direto, países do Norte Global, também conhecidos como países centrais, continuam a exercer controle econômico e cultural sobre os países do Sul Global, frequentemente chamados de países periféricos. Esta dinâmica perpetua uma condição de dependência e subdesenvolvimento nos países do Sul Global, mantendo a desigualdade global e reforçando estruturas de poder historicamente desiguais. Neste artigo, exploraremos a relação entre esses blocos, como os acordos de livre comércio impactam negativamente os países do Sul Global e analisaremos estudos que sustentam essas afirmações. A relação entre os países centrais e os países do Sul Global é marcada por uma dependência eco...
Políticas argentinas e seus impactos no Brasil: estabilidade e cooperação na América Latina
Américas, Argentina, Brasil, Mercosul, Organizações Internacionais

Políticas argentinas e seus impactos no Brasil: estabilidade e cooperação na América Latina

As relações entre Brasil e Argentina são fundamentais para a estabilidade e cooperação na América Latina. Os dois países, sendo as maiores economias da região, desempenham papéis cruciais no Mercosul e em outras iniciativas de integração regional. Com as atuais políticas implementadas pelo presidente argentino, Javier Milei, espera-se uma série de impactos que podem influenciar significativamente o Brasil em vários aspectos, desde a economia até a política externa. Este artigo explora esses impactos potenciais, focando na estabilidade e cooperação entre as nações. Javier Milei, conhecido por suas posições econômicas liberais e críticas contundentes ao intervencionismo estatal, tem implementado uma série de reformas que visam desregulamentar a economia argentina. Entre essas polític...
Impactos do atentado contra Trump nas eleições dos EUA: diferentes perspectivas
Américas, Estados Unidos

Impactos do atentado contra Trump nas eleições dos EUA: diferentes perspectivas

O recente atentado contra Donald Trump, ex-presidente e candidato nas próximas eleições presidenciais dos Estados Unidos, gerou uma onda de análises e debates sobre como esse evento pode influenciar o cenário eleitoral. Sem tomar partido, este artigo explora as diversas linhas de análise propostas por diferentes analistas e meios de comunicação, buscando oferecer uma visão abrangente dos potenciais impactos desse incidente nas eleições. Uma das principais linhas de análise sugere que o atentado pode aumentar a simpatia e o apoio a Trump entre seus seguidores e até mesmo entre eleitores indecisos. Segundo o analista político John Zogby, citado pela NBC News, "eventos traumáticos como este podem humanizar uma figura política e gerar uma onda de solidariedade, especialmente entre aque...
A geopolítica do tribunal penal internacional: uma análise dos padrões divergentes e influências políticas
Américas, Estados Unidos, Europa, Israel, Oriente Médio, Rússia, Ucrânia

A geopolítica do tribunal penal internacional: uma análise dos padrões divergentes e influências políticas

O Tribunal Penal Internacional (TPI) foi estabelecido em 2002 com a missão de julgar indivíduos acusados de genocídio, crimes de guerra, crimes contra a humanidade e crimes de agressão. No entanto, as ações e decisões do TPI são frequentemente percebidas de maneira desigual pelos diferentes países, especialmente pelos Estados Unidos, que têm um histórico de críticas e desconfianças em relação ao tribunal. Este artigo compara os recentes casos da Rússia, Israel e outros países, analisando a postura dos políticos norte-americanos e explorando como o financiamento e as indicações dos membros do TPI estão sujeitos a influências políticas. A invasão russa da Ucrânia em 2022 trouxe uma série de investigações pelo TPI sobre alegações de crimes de guerra. A resposta internacional foi de ap...
Atividades biológicas militares: a questão dos laboratórios e o aumento de surtos de doenças emergentes
África, África do Sul, Américas, Ásia, Brasil, China, Estados Unidos, Índia, Peru

Atividades biológicas militares: a questão dos laboratórios e o aumento de surtos de doenças emergentes

A atuação militar no campo das atividades biológicas levanta preocupações significativas, especialmente diante do aumento de surtos de doenças emergentes em diversas regiões do mundo. Laboratórios biológicos militares, destinados oficialmente à pesquisa e desenvolvimento de medidas contra ameaças biológicas e doenças infecciosas, estão no centro de debates sobre a sua real função e impacto na saúde pública global. A crescente incidência de novos surtos e doenças emergentes alimenta a suspeita sobre o papel dessas instalações e a possibilidade de suas operações estarem contribuindo para a proliferação de novas ameaças biológicas. Em várias partes do mundo, a ativação desses laboratórios coincide frequentemente com o surgimento de doenças antes desconhecidas ou raras. Por exemplo, no...
Táticas de poder: exercícios militares dos EUA em plataformas marítimas ricas em fósseis
Américas, Estados Unidos

Táticas de poder: exercícios militares dos EUA em plataformas marítimas ricas em fósseis

Nos últimos anos, os Estados Unidos intensificaram suas operações militares em regiões marítimas ricas em fósseis, desencadeando um debate significativo sobre a legalidade e o impacto ambiental dessas atividades. A Convenção das Nações Unidas sobre o Direito do Mar (CNUDM) de 1982, que estabelece um quadro jurídico para a utilização dos oceanos, incluindo a exploração e a conservação de seus recursos, tem sido uma referência central na discussão sobre a legitimidade dessas operações. Em 2021, a Marinha dos EUA conduziu exercícios militares no Mar do Sul da China, uma região notoriamente rica em recursos fósseis, incluindo petróleo e gás natural. Estes exercícios foram criticados por diversos países da região, particularmente pela China, que reivindica grande parte do Mar do Sul da ...
A interdependência econômica como pilar da estabilidade e paz internacionais
África, África do Sul, Américas, Ásia, Banco Mundial, Brasil, China, Estados Unidos, FMI, Japão, ONU, Organizações Internacionais

A interdependência econômica como pilar da estabilidade e paz internacionais

A interdependência econômica global emergiu como um dos principais pilares da estabilidade internacional nas últimas décadas. Este fenômeno, caracterizado pelo intenso fluxo de bens, serviços, capitais e informações entre países, tem sido amplamente reconhecido por promover a paz ao criar incentivos para a cooperação e reduzir os riscos de conflitos armados. A interdependência econômica, no entanto, enfrenta desafios significativos no cenário contemporâneo, levantando preocupações sobre a sua sustentabilidade e os possíveis impactos na paz mundial. Historicamente, a interdependência econômica se intensificou após a Segunda Guerra Mundial, com a criação de instituições internacionais como a ONU, o FMI e o Banco Mundial, que promoveram a cooperação econômica e a liberalização do comé...
Cúpula da paz de Burgenstock tensiona a posição neutra dos latino-americanos
África, África do Sul, Américas, Argentina, Ásia, Brasil, China, Europa, México, Rússia, Ucrânia

Cúpula da paz de Burgenstock tensiona a posição neutra dos latino-americanos

A Cúpula da Paz de Burgenstock, recentemente realizada na Suíça, tem gerado intensas discussões sobre a posição de neutralidade dos países latino-americanos. Este evento, que reuniu líderes mundiais para discutir questões de paz e segurança global, trouxe à tona uma série de dilemas para as nações da América Latina, que historicamente adotaram posturas neutras em conflitos internacionais. O Brasil, a maior economia da região, tem sido um dos principais defensores da neutralidade em questões globais. O presidente brasileiro destacou, em seu discurso na cúpula, a importância de uma política externa que priorize o diálogo e a mediação, ao invés de alinhamentos automáticos com grandes potências. No entanto, a crescente polarização global, intensificada por conflitos como o da Ucrânia, ...
História das Ilhas Malvinas e seu papel estratégico e geoestratégico
Américas, Argentina, Europa, Reino Unido

História das Ilhas Malvinas e seu papel estratégico e geoestratégico

As Ilhas Malvinas, ou Falkland Islands, são um arquipélago localizado no Atlântico Sul, cerca de 500 km a leste da costa da Argentina. A história das Malvinas é marcada por disputas territoriais, colonizações e conflitos que destacam sua importância estratégica e geoestratégica ao longo dos séculos. A descoberta das Ilhas Malvinas é atribuída a exploradores europeus no século XVI. Embora existam registros de avistamentos por navegadores espanhóis e portugueses, a primeira colonização estabelecida foi pelos franceses em 1764, que fundaram Port Louis na Ilha Soledad. Pouco tempo depois, em 1765, os britânicos estabeleceram Port Egmont na Ilha de Saunders, reivindicando também a soberania sobre o arquipélago. Em 1767, os franceses venderam sua colônia aos espanhóis, que mantiveram o c...
A tensão acumulada no cenário internacional atual: estamos à beira de uma terceira guerra mundial?
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Etiópia, Europa, Índia, Irã, Israel, ONU, Organizações Internacionais, Oriente Médio, República Centro-Africana, Rússia, Ucrânia

A tensão acumulada no cenário internacional atual: estamos à beira de uma terceira guerra mundial?

O cenário internacional contemporâneo está marcado por tensões crescentes que despertam preocupações sobre a possibilidade de um conflito global de grandes proporções, similar à Primeira e à Segunda Guerra Mundial. Para entender se estamos realmente à beira de uma terceira guerra mundial, é essencial traçar paralelos históricos e identificar padrões que possam indicar a repetição de ciclos destrutivos. Entre esses padrões, destacam-se o aumento da xenofobia e as tensões geopolíticas, que hoje se manifestam em diversas partes do mundo. Durante a Primeira Guerra Mundial, a Europa estava imersa em uma rede de alianças complexas e conflitos de interesses nacionais, que culminaram no assassinato do arquiduque Francisco Ferdinando em 1914 e a subsequente declaração de guerra. De maneira ...