Américas

O custo humanitário das sanções internacionais: o caso venezuelano
Américas, Estados Unidos, Venezuela

O custo humanitário das sanções internacionais: o caso venezuelano

Manifestantes venezuelanos contra o governo dos EUA. Foto REUTERS/Alexandre Meneghini As recentes manifestações em Cuba reabrem uma discussão importante nas relações internacionais: o uso de sanções comerciais como uma forma de política externa. O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou seu apoio ao povo cubano, mas não deu indicações de alteração da atual política de embargos. Em que pese a história e o simbolismo de Cuba no contexto da Guerra Fria, devemos nos lembrar que essa é uma política mais comum, como pode ser visto no caso da Venezuela. A duração das sanções e embargos aplicados sobre Cuba e Venezuela são mostras claras de seu fracasso como uma ação que busca alterar o comportamento de outro governo. Assim, além de não ter um resultado político efetivo, implica em um custo...
Crônica da morte anunciada… ou a tragédia afegã
Afeganistão, Américas, Ásia, Estados Unidos

Crônica da morte anunciada… ou a tragédia afegã

Presidente do Afeganistão Ashraf Ghani em 2019 (REUTERS NO RESALES. NO ARCHIVE - RC142B0FF7F0) Ontem, 25/06, o Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, acompanhado do seu Primeiro-Ministro e Presidente do Alto Conselho para a Reconciliação Nacional – e antagonista político – Abdullah Abdullah, encontraram-se na Casa Branca, com o Presidente Joe Biden para estabelecer um roteiro para o país após a partida das tropas americanas, fixadas para o dia 11 de setembro, data fatídica da tragédia do “World Trade Center”, aliás. Diante da convulsão político-social que se prenuncia com a partida do contingente americano, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, reafirmou o compromisso dos EUA com a governabilidade do país. Em comunicado, ela afirmou que “os Estados Unidos estão comprometidos em a...
Os BRICS e a vacina da Covid-19, mais uma chance perdida
Américas, Ásia, Brasil, BRICS, China, Europa, Índia, Organizações Internacionais, Rússia

Os BRICS e a vacina da Covid-19, mais uma chance perdida

REUTERS FILE PHOTO A vacinação para o Covid-19 está avançando e o mundo começa a respirar aliviado, mas ele esconde uma realidade muito mais dura e desigual no mundo em que vivemos. O acesso às vacinas, bem como sua produção, é resultado de relações de poder que só reforçam a desigualdade que existe entre os países. Assim que ficou claro o tamanho do problema com o Covid-19, os países mais ricos iniciaram seus esforços para produção de vacinas e para a compra ou bloqueio antecipado das vacinas a serem produzidas. Para se ter uma ideia, até o final de 2020 esses países já haviam garantido 3,8 bilhões de doses. A quantidade comprada por países como Estados Unidos e países europeus superavam largamente a sua população. Só os EUA, por exemplo, compraram vacinas que superavam 5 doses por...
Os gastos mundiais com Defesa continuam crescendo, apesar da pandemia
Américas, Estados Unidos

Os gastos mundiais com Defesa continuam crescendo, apesar da pandemia

O Presidente Biden acaba de enviar ao Congresso norte-americano sua proposta de orçamento de Defesa para 2022[1]. O documento propõe um orçamento de US$ 752,9 bilhões, um aumento em cerca de 1,5% em relação aos gastos previstos para o corrente ano. Em perfeito alinhamento com o previsto na Estratégia de Defesa[2] do país, lançada em 2018, na qual a guerra ao terror perdeu importância e a competição entre Estados passou a ser a principal preocupação da segurança nacional norte-americana, a proposta orçamentária pretende dotar as forças armadas dos recursos necessários para se contrapor às ameaças representadas por China e Rússia. A contenção à China recebeu especial prioridade. A iniciativa chamada “Pacific Deterrence Initiative”, ou Inciativa de Dissuasão do Pacífico, receb...
O Império Contra Ataca: G7, EUA, RPC, etc
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Organizações Internacionais, União Europeia

O Império Contra Ataca: G7, EUA, RPC, etc

No segundo episódio do megassucesso de George Lukas, a “Guerra das Estrelas”, sob a liderança do vilão Darth Vader, o Império procura incansavelmente destruir através da galáxia o grupo dos amigos de Luke. — Han Solo, a Princesa Leia, entre outros. Luke fora treinado pelo Mestre Yoda a usar a Força. Quando finalmente Vader captura seus amigos, Luke precisa decidir se vai completar seu treinamento e se tornar um Cavaleiro Jedi ou confrontar Vader e salvá-los. Tem início o duelo final, e frente a Luke ferido, Vader diz que ambos podem se unir e governar a Galáxia. Luke se recusa a se juntar ao assassino de seu pai, mas Vader revela que ele é, na realidade, Anakin Skywalker, o seu pai. Luke se recusa a acreditar e, sem esperanças, se joga no abismo. Na queda, ele se segura em uma pequena...
Clash of Civilizations: os EUA, a RPC, a campanha “Stop Asian hate” e o tal do Jacaré…
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

Clash of Civilizations: os EUA, a RPC, a campanha “Stop Asian hate” e o tal do Jacaré…

Protestantes na manifestação nacional Stop Asian Hate, em 27/03/2021 (Foto de Axel Koester) No último dia 17/03, um homem branco entrou em uma área de casas de massagem em Atlanta, nos Estados Unidos, e matou oito pessoas, seis delas mulheres descendentes de chineses e coreanos. No Reino Unido, no começo de março, um professor chinês de 37 anos foi espancado por quatro homens brancos que o xingaram de "vírus chinês". O aumento do preconceito e do ódio contra a comunidade asiática pode ser atribuído à disseminação de “fake news” que circulam desde o começo da pandemia, atribuindo aos asiáticos a proliferação do vírus, identificando-os como os únicos responsáveis pela doença, que, como sabemos, originou em Wuhan, na China. Para combater o espraiamento do preconceito nos EUA, um grupo ...
Eleições no Peru e Democracia na América Latina
Américas, Peru

Eleições no Peru e Democracia na América Latina

Candidatos à presidência do Peru: Pedro Castillo e Keiko Fujimori O Peru passará, no dia 6 de junho de 2021 por um segundo turno de uma eleição presidencial muito polarizada. De um lado, temos Keiko Fujimori, filha do ex-ditador Alberto Fujimori, de outro, o candidato de extrema esquerda Pedro Casillo. Curiosamente, o primeiro turno não foi de grande polarização eleitoral, tendo Castillo obtido apenas 19% dos votos enquanto Fujimori alcançou meros 13%. Ou seja, 68% dos eleitores preferiram outros candidatos. Deveremos observar então uma polarização induzida pelas instituições, no caso, a regra eleitoral. Dois candidatos em posições muito distantes no espectro econômico farão campanha para convencer uma massa central de eleitores que não achavam suas propostas as melhores logo de saí...
A volta de Trump à presidência em 2024
Américas, Estados Unidos

A volta de Trump à presidência em 2024

Presidente Donald Trump em agosto de 2019; Manchester, New Hampshire. (Staff Photo By Matt Stone/MediaNews Group/Boston Herald) O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, está de volta ao jogo político. Tudo indica que veio para ficar e possivelmente recuperar a presidência dos EUA em 2024. A distância até as próximas eleições presidenciais é grande, mas já é possível antever que Trump deverá sair vitorioso naquelas eleições. Trump acaba de lançar novamente sua loja online, na plataforma do Partido Republicando, WinRed. São vendidos produtos cotidianos, como bonés, camisetas e canecas. Além da tradicional mensagem “Make America Great Again” (Torne os Estados Unidos grandes de novo), um novo slogan mostra a estratégia que será seguida: “Don’t Blame Me I Voted for Trump” (não me culpe, ...
Fim(?) da guerra no Afeganistão
Afeganistão, Américas, Ásia, Estados Unidos, Organizações Internacionais, OTAN

Fim(?) da guerra no Afeganistão

Sefa Karacan/Anadolu Agency via Getty Images O Estadão de hoje replica matéria do New York Times segundo a qual o Presidente Joe Biden declarou ontem, 14/04, o fim da presença das tropas dos Estados Unidos no Afeganistão, encerrando o engajamento de vinte anos dos EUA na luta pela pacificação do país e desmantelamento da militância talibã, que já lhes custou mais de US $ 800 bilhões e a vida de 2.218 militares. Segundo o anúncio, os últimos 2,5 mil soldados americanos deixarão o Afeganistão até o dia 11 de setembro, data simbólica, aliás, quando se celebram os vinte anos da invasão ordenada por George W. Bush. Biden afirmou que “sou o quarto presidente a chefiar a presença de tropas no Afeganistão. Dois republicanos. Dois democratas...não vou passar essa responsabilidade para um quinto...
Como os britânicos veem seu papel no mundo em 2030 – e como estão se preparando para exercê-lo
África, Américas, Argentina, Ásia, China, Europa, Nigéria, ONU, OTAN, Reino Unido

Como os britânicos veem seu papel no mundo em 2030 – e como estão se preparando para exercê-lo

O Reino Unido acaba de divulgar um documento cuja leitura considero muito importante, fundamental mesmo, para quem se dispõe a compreender o jogo que as grandes potências estão a disputar na arena internacional. Nele, são apresentadas as revisões das políticas integradas de defesa e segurança, relações internacionais e desenvolvimento da Grã-Bretanha [1]. O documento tem, na introdução, a visão do Primeiro-Ministro Boris Johnson para o Reino Unido no ano de 2030. Em resumo, trata-se de uma visão otimista sobre o papel de seu país no mundo, que enxerga o Reino Unido como uma das mais influentes nações do planeta, com uma economia forte e que, em razão da ênfase na adoção de inovações científicas e tecnológicas, estará mais bem equipada para enfrentar um mundo ainda mais competi...