Coronavírus e as posições de Trump e Biden

Presidente Donald Trump e candidato democrata Joe Biden (The Associated Press)

Classificado como epicentro da pandemia desde abril, os Estados Unidos enfrentam dificuldades em controlar a disseminação do vírus no país. Com cerca de 6 milhões de casos (Universidade Johns Hopkins, set. de 2020), o governo de Trump sofre diversas críticas por parte da população visto a sua dificuldade em amenizar os efeitos da crise de saúde global. Assim, tanto a resposta do presidente ao coronavírus, quanto às propostas de seu oponente  são fatores significativos na decisão de voto da sociedade norte americana nas eleições de novembro.

Dessa forma, esse artigo discorrerá sobre as ações do governo Trump para com a pandemia, analisando os dados e avaliando o efeito nos eleitores. E também como o tema tem sido tratado nos  comícios e campanhas de ambos os candidatos.

Ações do Governo Federal

O plano do Governo norte-americano no combate ao coronavírus é baseado em três principais pilares, expansão dos testes, ajuda econômica para trabalhadores americanos e mobilização do governo federal e do setor privado.

A partir de uma análise dos números já apresentados, o impacto do coronavírus nos Estados Unidos envolvem aspectos econômicos e  sociais. No gráfico 1 percebe-se que o pico de mortes foi entre 10 e 30 de abril, onde alcançaram mais que 14 mortes por milhão de habitantes. O cenário grave que o país enfrenta é resultado de uma falta de eficiência da gestão de crise realizada pelo governo federal.  Segundo o ABC News (2020),  no dia  17/03/20 todos os estados já tinham contaminação do  vírus, no entanto, apenas em 07/04/20 o isolamento social foi decretado em todos os estados (Time and Date, 2020), por conta da demora para tomada de decisão. A situação  demonstra a falta de coesão entre governadores e o governo federal. Para melhor eficiência as ações deveriam ser conjuntas e alinhadas em as diferentes instâncias federativas.

 No quesito testagem o governo já disponibilizou 70,155,956, com 9% de resultados positivos (Centers for Disease Control and prevention, 2020). Contudo, pelo estudo publicado pelo NY Times ( 2020) demonstra que apenas 10 dos 50 estados estão acima da porcentagem de testes necessários, com uma média nacional que atinge 52% da testagem necessária. É possível identificar, a partir do Gráfico 3,  que em um primeiro momento, o número de testes não acompanhou o crescimento de casos e, consequentemente, de mortes, demonstrando novamente  falha por parte do governo no manejamento inicial da crise. A falta de testagem dificulta a identificação e isolamento de infectados, o que pode alastrar o número de contaminados. Também é possível identificar, no gráfico 2,  uma subida no número de casos na marca dos 100 dias e no número de mortes na marca de 21 de junho, no gráfico 1. Essa ascensão é resultado das políticas de flexibilização do isolamento, que ocorram diferentemente em cada estado, porém foram antes de 21 de junho (NY Times, 2020). 

Gráfico 1:

Fonte: Our World in Data, 2020. Disponível em www.ourworldingdata.com 13/08/2020

Gráfico 2:

Fonte: Our World in Data, 2020. Disponível em www.ourworldingdata.com 13/08/2020

Gráfico 3:

Fonte: Our World in Data, 2020. Disponível em www.ourworldingdata.com 13/08/2020

No que se refere às políticas de auxílio econômico foram direcionadas, já em maio, recursos de alívio que totalizaram 2,4 trilhões de dólares (USA today, 2020), ajuda essa que supera o valor do PIB de todos os países abaixo da sétima economia do mundo. As políticas estão voltadas  em sua maior parte para pequenas e médias empresas, ramos que mais precisam desse auxílio para continuarem operando pós pandemia. Houve também um programa de auxílio aos pequenos negócios, o Paycheck Protection Program que, segundo o Governo Federal,  protegeu 51 milhões de empregos americanos (CASA BRANCA, 2020). 

Os EUA não gastam tanto desde a segunda guerra mundial (USA TODAY, 2020), os recursos governamentais  para a debelar a crise ultrapassaram o PIB do país. Os dados indicam uma  retração de 32,9% que foi sentido no  segundo quadrimestre de 2020 (CNBC, 2020). Na questão do governo federal e do setor privado, todos os esforços foram mobilizados para garantir a vida e a segurança dos americanos, segundo o site da Casa Branca. Medidas, como a declaração de emergência nacional, flexibilização dos sistemas de saúde e teleconsultas, já foram tomadas antes do pico de contaminação. Na questão com o setor privado, Donald Trump utilizou do Defense Production Act (DPA, Ato de defesa da produção) mais de 30 vezes, ato esse que dá ao presidente, sob uma situação de emergência, o controle das indústrias nacionais para destinarem sua infraestrutura para focar no desenvolvimento de algo benéfico para o país. As ações foram  destinadas aos  artigos médicos e itens essenciais, principalmente respiradores, que segundo o site da Casa Branca, já foram produzidos mais de 100.000 respiradores, empresas como a General Motors cederam suas fábricas (NY TIMES 2020). Os impactos dessa ação ainda não foram calculados.

Medidas do Governo FederalImpacto FinanceiroEfeitos das medidas
Coronavirus Aid, Relief, and Economic Security (CARES) actProjeto de estímulo econômico de 2 trilhões de dólaresAlívio econômico para empresas, indivíduos, cidades, estados e comunidades tribais
Coronavirus Tax ReliefImpactos à serem analisados após o pagamentoProrrogação do prazo de pagamento do imposto de renda
Temporary Assistance for Needy Families (TANF)Aumento de 20% nos pagamentos mensais do TANFAumenta os benefícios econômicos para famílias que precisam de assistência

Fontes: IRS. Coronavirus Tax Relief for Businesses and Tax-Exempt Entities. GOVTRACK. H.R. 748: Coronavirus Aid, Relief, and Economic Security Act. OFFICE OF REGIONAL OPERATIONS. COVID-19 Resources for State, Local, and Tribal Human Services Leaders.

Uma pesquisa feita pelo Fivethirtyeight, em 2020, demonstrou que, após o país atingir 10.000 mortos (6 de abril de 2020), a aprovação da gestão Trump caiu de 48,6% em abril para 38% em agosto.  A reação da sociedade também refletiu nas pesquisas eleitorais, apontando Biden na liderança com 8 pontos a mais que Trump (Fox News Poll, junho de 2020). Na visão de  Ian Bremmer   “É a incompetência presidencial que tem maior potencial de prejudicar seriamente os Estados Unidos.” (Fundação FHC, 2020)

De acordo com o New York Times (ano), o presidente afirma que não está perdendo, pois as pesquisas são falsas, assim como fez em 2016. No entanto, o impacto do  descontamento da população na eleição em  novembro levou Trump alterar sua postura em relação ao vírus, como por exemplo, afirmou que  é um ato patriota usar máscaras e também  retomou as  coletivas de imprensa diárias sobre coronavírus (The New York Times, 2020), que haviam sido suspensas em abril.

A posição dos candidatos frente à pandemia

As campanhas eleitorais estadunidenses de 2020 abordam temáticas e promessas muito divergentes. Visto os problemas causados pelo coronavírus, tanto para a economia quanto para a saúde, os dois candidatos apelam para seus públicos, alinhando-se à pauta que consideram ser mais importante.

Representando o partido republicano, Trump demonstra priorizar o bem estar da economia, tanto em seu atual governo, quanto em suas promessas caso seja reeleito. O presidente aponta que por meio do corte de impostos e reforma econômica, seu governo irá gerar empregos novamente no país (White House, 2020). Para controlar a recessão econômica causada pela pandemia, Trump busca abrir o comércio novamente por meio de um plano composto por 3 fases. Seu plano de reabertura consiste na análise do cenário pandêmico de cada estado e então, caso o contágio esteja controlado no local, liberar a abertura do comércio seguindo medidas sanitárias e apenas para aqueles que não fazem parte do grupo de risco.

Por outro lado, o representante democrata, Joe Biden, promove saúde acessível para todos e chama atenção para a crise no setor. O democrata defende o Obamacare, ressaltando que todo americano deveria ter um plano de saúde de qualidade e com preço acessível, tornando esta uma pauta central em sua campanha. Além disso, Biden critica a forma que Trump lidou com a pandemia, apontando que seu primeiro passo, caso eleito, será controlar o vírus (Político, 2020).    

Inicialmente, a campanha do republicano realizou uma série de vídeos chamada “Team Trump Online” na tentativa de substituir os tradicionais comícios. Diferente de sua campanha em 2016, focada em redes sociais, e adaptando-se a pandemia, o presidente tem utilizado outros meios virtuais também como um aplicativo que conecta os eleitores à notícias, eventos virtuais e oportunidades para os eleitores serem voluntários na campanha. De acordo com o site de campanha do presidente, essa atual operação de marketing têm arrecadado mais de 730 milhões de dólares, mostrando-se eficiente.

Apesar do investimento na campanha online, Trump enfrenta grandes desafios com os eleitores em 2020 devido à situação crítica em que os Estados Unidos se encontra, sendo o epicentro atual da pandemia de coronavírus. Em uma pesquisa da Pew Research (abril, 2020), 65% dos entrevistados afirmaram acreditar que o presidente apresentou uma resposta lenta a crise. Em uma tentativa de rebater críticas, a campanha do republicano realizou um anúncio com clipes de governadores democratas elogiando sua resposta à luta contra a covid-19.

Inicialmente, o presidente norte americano afirmava que, se  necessário, iria continuar apenas com os comícios virtuais, porém, dia 21 de julho, o republicano realizou seu primeiro comício do ano em Tulsa, Oklahoma. Em uma tentativa de recriar o sucesso que esses eventos produziram em sua campanha de 2016, Trump discursou para 6 mil pessoas apontando que os meios de comunicação mentirosos estavam alertando falsamente sobre os riscos de saúde do evento em relação à pandemia. Houve entrega de máscaras na entrada do evento – para uso opcional – e medição de temperatura do público. O evento contou com severas críticas de funcionários da saúde, afirmando que o comício provavelmente contribuiu para o aumento de casos de Covid-19 em Tulsa.

Visto o contexto da pandemia, a campanha do candidato democrata tem sido veiculada apenas em meios digitais, principalmente por meio de seu site e redes sociais, mas há a pretensão de expandi-la para meios físicos em algum ponto antes de novembro. Apesar dos planos de Biden, sua saída de casa depende do aval dos funcionários da saúde.

Em seu início, a campanha enfrentou críticas dos democratas, que creem que a ela não estava bem articulada e preparada o suficiente, afetando a visibilidade do candidato. Apesar das críticas, a gerente de campanha de Biden, Jennifer O’Malley Dillon, afirmou que o momento não é propício para uma campanha física, visto que colocaria em risco a vida do candidato, além de afirmar que os eleitores conseguem se conectar com o ex vice-presidente por meios virtuais de modo tão forte quanto pessoalmente. Dillon aponta que agora é a hora de usar ferramentas virtuais como ligações pelo Zoom e comícios virtuais,  argumentando que as pessoas estão mais propícias do que nunca a participarem desses eventos (Washington Post, agosto de 2020).

No meio digital, altos funcionários da campanha de Biden afirmam que dobraram o tamanho de sua equipe digital e que pretendem iniciar uma plataforma de transmissão ao vivo em uma tentativa de enfrentar os desafios de realizar uma campanha quase exclusivamente virtual. No meio presencial, o democrata realizou um pequeno evento na Filadélfia para discutir economia, a reunião contou com a presença de aproximadamente 20 pessoas, entre elas, repórteres e comerciantes locais. O evento promoveu o isolamento social, adicionando círculos adesivados em volta das cadeiras, uso de máscara e temperatura medida na entrada. Na ocasião, Biden afirmou que não pretende realizar comícios esse ano visto o cenário pandêmico e criticou a postura de Trump em Tulsa, afirmando que o presidente colocou a saúde de seu público em risco.

Além das críticas ao modo que o governo Trump está lidando com a pandemia, Joe Biden criou um website para divulgar o “Plano Biden para combater o coronavírus e futuras ameaças globais à saúde”. No site  candidato expõe as ações que pretende tomar como presidente para combater o vírus, prometendo um serviço de saúde pública eficiente que evite a disseminação da doença,  que garanta testes rápidos e tratamentos para os infectados. Biden afirma que possui experiência com esse tipo de cenário dado que esteve na liderança, junto com Obama, durante a crise de H1N1, em 2009, e a do ebola em, 2014 (The Biden Plan to Combat Coronavírus (COVID-19), 2020).

Biden promove como solução para conter o cenário atual ações decisivas do sistema de saúde público, garantindo tratamento e prevenção gratuitos para todos os cidadãos e também o desenvolvimento de uma vacina. Ele também destaca em seu plano a importância de investir na ciência para conter a crise, além disso,  aponta a necessidade de uma resposta econômica decisiva que inicie com licença remunerada emergencial para os trabalhadores prejudicados pela pandemia

De maneira geral,  nota-se uma grande diferença entre as prioridades e promessas dos dois candidatos à presidência, enquanto o republicano prioriza a economia o democrata pauta sua campanha em volta da saúde. A dificuldade e demora de Trump em adotar medidas para controlar o coronavírus no país  também exercem um papel essencial na decisão de voto dos americanos, o que resultou em uma desaprovação da resposta do presidente à crise por parte de 57,7% da população (FiveThirtyEight, agosto de 2020). No entanto, a melhora dos indicadores econômicos podem impactar positivamente na imagem de Trump e favorecer sua posição junto aos eleitores. Binden tem o desafio de mostrar que seu governo terá melhores resultados e suas propostas são melhores que as de Trump.

Portanto, é possível tomar como base que ambos candidatos tomam decisões polarizadas e  focadas em seu próprio nicho eleitoral. Enquanto Biden prega um discurso pró-saúde saudosista de fim de guerra e deixa de lado as questões econômicas em um cenário de crise financeira global maior que 2008, o governo Trump apresenta uma negligência quanto à crise da saúde demonstrando uma das piores gestões do coronavírus do mundo. Por fim, a corrida eleitoral está sendo travada por cavalos com antolhos que não conseguem desfocar de suas bases eleitorais, com posicionamentos tão específicos que qualquer erro se torna escândalo político. É questionável se após a posse o candidato eleito ele conseguirá apresentar uma solução para a maior crise século XXI.

BIBLIOGRAFIA

ABC NEWS. Timeline: How coronavirus got started. Disponível em: https://abcnews.go.com/Health/timeline-coronavirus-started/story?id=69435165. Acesso em: 3 set. 2020

BROOKINGS. Money, Money, Money: The Fiscal Response to Covid-19. Disponível em: https://www.brookings.edu/blog/up-front/2020/03/24/money-money-money-the-fiscal-response-to-covid-19/. Acesso em: 22 ago. 2020.

CNBC. Second-quarter GDP plunged by worst-ever 32.9% amid virus-induced shutdown. Disponível em: https://www.cnbc.com/2020/07/30/us-gdp-q2-2020-first-reading.html. Acesso em: 22 ago. 2020.

CNN. Trump campaign laying groundwork for a return to in-person rallies. Disponível em: https://edition.cnn.com/2020/05/15/politics/trump-campaign-rallies/index.html. Acesso em: 15 mai. 2020.

COUNCIL OF FOREIGN RELATIONS. What Is the Defense Production Act?. Disponível em: https://www.cfr.org/in-brief/what-defense-production-act . Acesso em: 1 jun. 2020.

COVID-19 MAP – JOHNS HOPKINS. COVID-19 Dashboard by the Center for Systems Science and Engineering (CSSE) at Johns Hopkins University (JHU). Disponível em: https://coronavirus.jhu.edu/map.html. Acesso em: 3 set. 2020.

DONALD J. TRUMP. TIMELINE: THE TRUMP ADMINISTRATION’S DECISIVE ACTIONS TO COMBAT THE CORONAVIRUS. Disponível em: https://www.donaldjtrump.com/. Acesso em: 15 mai. 2020.

FIVETHIRTYEIGHT. How Americans View The Coronavirus Crisis And Trump’s Response. Disponível em: https://projects.fivethirtyeight.com/coronavirus-polls/. Acesso em: 22 ago. 2020.

FOX NEWS. Fox News Poll: Biden holds lead over Trump as coronavirus concerns grip nation. Disponível em: https://www.foxnews.com/politics/fox-news-poll-biden-holds-lead-over-trump-as-coronavirus-concerns-grip-nation. Acesso em: 2 set. 2020.

FUNDAÇÃO FHC. Covid-19 e a Recessão Geopolítica – por Ian Bremmer. Disponível em: https://fundacaofhc.org.br/iniciativas/debates/covid-19-e-a-recessao-geopolitica-por-ian-bremmer. Acesso em: 2 set. 2020.

GAZETA NEWS. Pequenas empresas já podem solicitar perdão por Covid-19. Disponível em: https://gazetanews.com/pequenas-empresas-ja-podem-solicitar-o-perdao-da-divida-por-covid-19/ . Acesso em: 31 mai. 2020.

GOVTRACK. H.R. 748: Coronavirus Aid, Relief, and Economic Security Act

H.R. 748: Coronavirus Aid, Relief, and Economic Security Act. Disponível em: https://www.govtrack.us/congress/bills/116/hr748/text. Acesso em: 22 ago. 2020.

IRS. Coronavirus Tax Relief for Businesses and Tax-Exempt Entities. Disponível em: https://www.irs.gov/coronavirus/coronavirus-tax-relief-for-businesses-and-tax-exempt-entities. Acesso em: 22 ago. 2020.

JOE BIDEN . Healthcare. Disponível em: https://joebiden.com/healthcare/. Acesso em: 4 mai. 2020.

JOE BIDEN. THE BIDEN PLAN TO COMBAT CORONAVIRUS (COVID-19) AND PREPARE FOR FUTURE GLOBAL . Disponível em: https://joebiden.com/covid19/. Acesso em: 15 mai. 2020.

KPMG. US Income Tax Relief In Response to Coronavirus. Disponível em: https://home.kpmg/cn/en/home/insights/2020/04/tax-alert-4-hk-us-income-tax-relief-in-response-to-coronavirus.html. Acesso em: 22 ago. 2020.

OFFICE OF REGIONAL OPERATIONS. COVID-19 Resources For State, Local, and Tribal Human Services Leaders. Disponível em: https://www.acf.hhs.gov/sites/default/files/oro/oro_covid_19_resources_update_1.pdf. Acesso em: 22 ago. 2020.

PEW RESEARCH CENTER. Most Americans Say Trump Was Too Slow in Initial Response to Coronavirus Threat. Disponível em: https://www.pewresearch.org/politics/2020/04/16/most-americans-say-trump-was-too-slow-in-initial-response-to-coronavirus-threat/. Acesso em: 22 ago. 2020

PRESIDENT DONALD J. TRUMP ACHIEVEMENTS. Healthcare. Disponível em: https://www.promiseskept.com/achievement/overview/healthcare/. Acesso em: 5 mai. 2020.

THE NEW YORK TIMES. How the Biden Campaign Aims to Win Battleground States. Disponível em: https://www.nytimes.com/2020/05/15/us/politics/joe-biden-campaign-2020.html. Acesso em: 15 mai. 2020.

THE NEW YORK TIMES. Trump’s Remedy for Low Poll Numbers: Reminding People Polls Can Be Wrong. Acesso em: https://www.nytimes.com/2020/07/22/us/politics/trump-polls-2020.html. Disponível em: 2 set. 2020.

THE NEW YORK TIMES. Wartime Production Law Has Been Used Routinely, but Not With Coronavirus. Disponível em: https://www.nytimes.com/2020/03/31/us/politics/coronavirus-defense-production-act.html. Acesso em: 11 set. 2020.

THE NEW YORK TIMES. We Have Crossed the Line Debt Hawks Warned Us About for Decades. Disponível em: https://www.nytimes.com/2020/08/21/business/economy/national-debt-coronavirus-stimulus.html. Acesso em: 22 ago. 2020.

THE WASHINGTON POST. How Jennifer O’Malley Dillon transformed Joe Biden’s campaign. Disponível em: https://www.washingtonpost.com/opinions/how-jennifer-omalley-dillon-transformed-joe-bidens-campaign/2020/08/14/d49de192-dbdd-11ea-8051-d5f887d73381_story.html. Acesso em: 11 set. 2020.

USA TODAY. COVID-19, political fights raise the question: Could the dollar lose its global status? Disponível em: https://www.usatoday.com/story/money/2020/08/20/dollar-weakening-sparks-worries-stay-worlds-reserve-currency/3396627001/. Acesso em: 22 ago. 2020.

USA TODAY. National Debt: how much could coronavirus cost america. Disponível em: https://www.usatoday.com/in-depth/news/2020/05/08/national-debt-how-much-could-coronavirus-cost-america/3051559001/ . Acesso em: 29 mai. 2020.

USA TODAY. Our economy is in the COVID valley of death. What will be on the other side, and when? Disponível em: https://www.usatoday.com/story/opinion/2020/07/30/covid-economy-gdp-record-drop-what-comes-next-predictions-column/5535736002/. Acesso em: 22 ago. 2020.

US SMALL BUSINESS ADMINISTRATION. Paycheck Protection Program. Disponível em: https://www.sba.gov/funding-programs/loans/coronavirus-relief-options/paycheck-protection-program. Acesso em: 22 ago. 2020.

WHITEHOUSE. President Donald J. Trump mobilized full resources federal government respond coronavirus. Disponível em: https://www.whitehouse.gov/briefings-statements/president-donald-j-trump-mobilized-full-resources-federal-government-respond-coronavirus/ . Acesso em: 31 mai. 2020.

WHITEHOUSE. President Trump’s Historic Coronavirus response. Disponível em: https://www.whitehouse.gov/briefings-statements/president-trumps-historic-coronavirus-response/. Acesso em: 11 set. 2020.

+ posts

Estudante de Relações Internacionais da ESPM, Analista Jr. do Núcleo de Estudos e Negócios Americanos (NENAM) da ESPM e estagiário voluntário da Comissão de Relações Internacionais da Assembléia Legislativa do Estado de São Paulo (ALESP).

Estudante de Relações Internacionais na ESPM, Analista Jr. do Núcleo de Estudos e Negócios Americanos (NENAM) e Trainee de gestão de pessoas no Cursinho 4 de Dezembro.