ISSN 2674-8053

Estados Unidos

Rússia-Ucrânia: o efeito spill over do armamento
Américas, Estados Unidos, Europa, Organizações Internacionais, OTAN, Rússia, Ucrânia

Rússia-Ucrânia: o efeito spill over do armamento

Foto de Valentyn Onyshchenko A guerra entre Rússia e Ucrânia continua com passos lentos e sentido incerto. Recentemente Putin declarou que pode lançar mão das opções que tem em mãos, o que levantou o medo da utilização de armas atômicas. Ainda que não saibamos qual será o desfecho dessa possibilidade existe um outro problema que já se mostra real e que não tem sido discutido: qual a utilização atual e futura da enorme quantidade de armas disponibilizadas nessa guerra? Em qualquer esforço de guerra, por mais que haja a tentativa de controle sobre os recursos, a verdade é que é difícil realmente saber o que está acontecendo. Para que tenhamos uma ideia do que estamos falando, o Ocidente já superou o gasto de US$ 10 bilhões em apoio militar para a Ucrânia. São gastos dos mais variados,...
A visita da Senhora
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

A visita da Senhora

A presidente da Câmara dos EUA, Nancy Pelosi, caminha ao lado da presidente de Taiwan, Tsai Ing-wen, em visita à sede presidencial da ilha, em Taipei, em 3 de agosto de 2022. — Foto: Presidência de Taiwan via Associated Press A visita de Nancy Pelosi, presidente da Câmara dos Representantes do Congresso americano a Taiwan, ontem, 02/08, teve o “mérito” de angariar tanto a discordância do Presidente Joe Biden quanto o opróbio dos chineses continentais. Confrontado com o “fait accompli”, Biden limitou-se a demonstrar sua contrariedade para com a iniciativa e alegar, como justificativa, a independência do Legislativo na ordem constitucional americana. Pequim, de sua parte, como esperado, considerou a visita uma “provocação militar”. Foram deslocados aviões de caça para o Estreito de Taiwa...
A democracia em Cuba depende do fim dos embargos e não de sua manutenção
Américas, Cuba, Estados Unidos

A democracia em Cuba depende do fim dos embargos e não de sua manutenção

Foto: Yamil Lage/AFP/Getty Images Em fevereiro de 1962 o presidente dos Estados Unidos, John F. Kennedy, decretou o embargo comercial contra Cuba. 60 anos depois a situação continua a mesma. Afinal, por que os Estados Unidos declararam embargo contra Cuba? Quais os resultados alcançados? Ainda faz sentido a manutenção de embargos contra Cuba? A ideia de Kennedy ao declarar embargos comerciais contra Cuba era a de diminuir a ameaça que a ilha fazia aos Estados Unidos em função de seu alinhamento com o eixo comunista, lembrando que estávamos no auge da Guerra Fria. Seu objetivo era enfraquecer a economia cubana, o que poderia levar à uma revolta popular que questionasse o governo comunista levando a sua queda. Como podemos ver atualmente, mesmo depois de 60 anos o objetivo de alter...
Tropas ucranianas treinadas na Alemanha pelo exército dos EUA
Alemanha, Américas, Estados Unidos, Europa, Ucrânia

Tropas ucranianas treinadas na Alemanha pelo exército dos EUA

Artigo elaborado por Pedro Gerhardt Corrêa e Victor Calastri Manzoni Os militares estadunidenses começaram a treinar aproximadamente 100 soldados ucranianos em território alemão sobre sistemas de artilharias e radares. De acordo com o Pentágono, serão utilizados ​​para defender a Ucrânia contra a invasão russa. Este treinamento foi fundamental para a defesa robusta de sua capital Kiev e a luta que eles estão travando em Donbass. O treinamento ajudou a transformar a Ucrânia de um exército de estilo soviético para uma força mais ágil e mortal. Uma grande parte desse treinamento sobre os novos sistemas de defesa, que está sendo realizado com as tropas ucranianas, será realizado pelos guardas da Flórida. Aproximadamente 50 ucranianos foram treinados usando um Obus, um armamento de l...
A crise energética e a aproximação entre Biden e Maduro
Américas, Estados Unidos, Venezuela

A crise energética e a aproximação entre Biden e Maduro

Artigo elaborado por João Paulo Costa A possibilidade de aproximação entre dois grandes desafetos das Américas, os Estados Unidos e a Venezuela, ocorre como consequência de uma disputa militar distante dos latinoamericanos, a atual guerra entre Rússia e Ucrânia. Ao deslocar tropas russas para território ucraniano, Vladimir Putin usou a alegação de um “genocídio” na região leste cometido por tropas “neonazistas”. Para Volodymyr Zelensky, que recebeu apoio de outros atores internacionais, incluindo os Estados Unidos, os interesses russos vão além disto. Ao optar pela invasão militar, Putin envia uma mensagem ao adversário: a entrada da Ucrânia na Organização do Tratado do Atlântico Norte, que vinha avançando a passos largos na gestão de Zelensky, não será tolerada. Para os Estados...
China + Rússia + EUA + OTAN (ii): o tiro saiu pela culatra?
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Europa, Organizações Internacionais, OTAN, Rússia

China + Rússia + EUA + OTAN (ii): o tiro saiu pela culatra?

Presidentes russo Vladimir Putim e chinês Xi Jinping (Foto kremlin.ru) Vladimir Putin acaba de retornar de Pequim, onde foi hóspede de honra de Xi Jinping na cerimônia de inauguração das Olimpíadas de Inverno que a República Popular anfitriona este ano. Certamente, ela deseja reiterar a imagem positiva que deixou das Olimpíadas de verão de 2008. Na sequência dos acontecimentos na Ucrânia, o encontro entre Putin e Xi teve uma mensagem simbólica de grande amplitude. Não somente foram assinados vários acordos, entre os quais a elevação das exportações de gás da gigante russa Gazprom para a RPC, do montante de 38 para 48 bilhões de metros cúbicos anuais (lembremo-nos de que o tema é o “nó górdio” no envolvimento dos europeus no projeto dos americanos de intensificarem suas ameaças a M...
Rússia, a Ucrânia, os Estados Unidos, a China, a Europa e a Otan
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Europa, Organizações Internacionais, OTAN, Rússia, Ucrânia

Rússia, a Ucrânia, os Estados Unidos, a China, a Europa e a Otan

Metendo o bedelho...Nunca pus os pés na Rússia, mas servi em Astana - hoje, Nursultan -, no Cazaquistão, e arrisco esboçar a minha percepção a partir da ótica de um país vizinho.  Para mim, o quadro geopolítico que define a relação entre a Rússia e a Ucrânia se aplica a todo o universo “ex-soviético”, como é o caso do Cazaquistão. São ambos ex-repúblicas da URSS, vizinhos contíguos da Rússia e ex-seguidores da mesma cartilha ideológico/político/econômico marxista que predominou em toda a região até 1991, quando a União Soviética se dissolveu. A experiência independente destes países tem, portanto, apenas 31 anos, ou seja, são Estados “jovens” que anteriormente, como “satélites”, serviam sobretudo como celeiro, no caso do Uzbequistão, e terreno de testes nucleares, como no do C...
COP26, é preciso ir além do aquecimento global
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

COP26, é preciso ir além do aquecimento global

Fonte Wikipedia, novembro de 2021 O mundo está com os olhos sobre a Conferência das Nações Unidas sobre as Mudanças Climáticas, também conhecida como COP26. Ocorrendo em Glasgow, na Escócia, é uma tentativa de avançar de forma mais contundente no compromisso de preservação ambiental. Esse objetivo é particularmente importante se considerarmos que a última COP fracassou na construção de metas mais ambiciosas. O principal objetivo da COP26 é a apresentação de propostas e a determinação dos compromissos sobre a redução das emissões de gases de efeito estufa, que levam ao aquecimento global. No longo prazo o que se pretende é não ultrapassar o 1,5° de aquecimento até 2100, conforme proposto no Acordo de Paris. Ao colocarmos o foco da análise sobre o impacto da atividade humana sobre ...
China e Estados Unidos: a “Guerra Fria” do século XXI ?
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

China e Estados Unidos: a “Guerra Fria” do século XXI ?

O ex-primeiro-ministro da Austrália, Kevin Rudd, recentemente “cantou a pedra”, segundo o analista David E. Sanger, do “New York Times” : “ uma Guerra Fria entre Pequim e Washington não é apenas possível, mas provável...” Esta declaração aguçou ainda mais as suspicácias dos analistas ocidentais. Segundo ele, é verdade “que a China está emergindo como um adversário estratégico muito maior do que a União Soviética jamais foi - uma ameaça tecnológica, uma ameaça militar e um rival econômico”. Para Sanger, “ao tempo em que Pequim está expandindo seu programa espacial, lançando mais três astronautas para sua estação espacial e acelerando seus testes de mísseis hipersônicos destinados a derrotar as defesas antimísseis americanas, os EUA anunciaram que fornecerão tecnologia de submarino n...
Exercícios militares no mar do Japão, dois pesos, duas medidas
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Europa, Japão, Rússia

Exercícios militares no mar do Japão, dois pesos, duas medidas

Formas militares da China e Rússia durante a cerimônia de abertura dos exercícios militares do mar do Japão. Foto: Xinhua No dia 14 de outubro (2021), China e Rússia realizaram exercícios navais no Mar do Japão. A ação faz parte de exercícios conjuntos que se estenderam pelos dias seguintes. Em que pese o exercício ter ocorrido em águas internacionais e ser algo recorrente desde 2012, é possível ver várias críticas por parte de políticos e da imprensa. Do lado nipo-estadunidense o que se vê é uma crítica em relação à ameaça que tais exercícios criam, já que é entendido como uma pressão militar e diplomática sobre o Japão, especialmente considerando a disputa pelo controle das ilhas Senkaku (nome japonês) ou Diaoyu (nome chinês). As ilhas são controladas pelo Japão desde a II Guerra ...