Estados Unidos

O custo humanitário das sanções internacionais: o caso venezuelano
Américas, Estados Unidos, Venezuela

O custo humanitário das sanções internacionais: o caso venezuelano

Manifestantes venezuelanos contra o governo dos EUA. Foto REUTERS/Alexandre Meneghini As recentes manifestações em Cuba reabrem uma discussão importante nas relações internacionais: o uso de sanções comerciais como uma forma de política externa. O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou seu apoio ao povo cubano, mas não deu indicações de alteração da atual política de embargos. Em que pese a história e o simbolismo de Cuba no contexto da Guerra Fria, devemos nos lembrar que essa é uma política mais comum, como pode ser visto no caso da Venezuela. A duração das sanções e embargos aplicados sobre Cuba e Venezuela são mostras claras de seu fracasso como uma ação que busca alterar o comportamento de outro governo. Assim, além de não ter um resultado político efetivo, implica em um custo...
Crônica da morte anunciada… ou a tragédia afegã
Afeganistão, Américas, Ásia, Estados Unidos

Crônica da morte anunciada… ou a tragédia afegã

Presidente do Afeganistão Ashraf Ghani em 2019 (REUTERS NO RESALES. NO ARCHIVE - RC142B0FF7F0) Ontem, 25/06, o Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, acompanhado do seu Primeiro-Ministro e Presidente do Alto Conselho para a Reconciliação Nacional – e antagonista político – Abdullah Abdullah, encontraram-se na Casa Branca, com o Presidente Joe Biden para estabelecer um roteiro para o país após a partida das tropas americanas, fixadas para o dia 11 de setembro, data fatídica da tragédia do “World Trade Center”, aliás. Diante da convulsão político-social que se prenuncia com a partida do contingente americano, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, reafirmou o compromisso dos EUA com a governabilidade do país. Em comunicado, ela afirmou que “os Estados Unidos estão comprometidos em a...
Os gastos mundiais com Defesa continuam crescendo, apesar da pandemia
Américas, Estados Unidos

Os gastos mundiais com Defesa continuam crescendo, apesar da pandemia

O Presidente Biden acaba de enviar ao Congresso norte-americano sua proposta de orçamento de Defesa para 2022[1]. O documento propõe um orçamento de US$ 752,9 bilhões, um aumento em cerca de 1,5% em relação aos gastos previstos para o corrente ano. Em perfeito alinhamento com o previsto na Estratégia de Defesa[2] do país, lançada em 2018, na qual a guerra ao terror perdeu importância e a competição entre Estados passou a ser a principal preocupação da segurança nacional norte-americana, a proposta orçamentária pretende dotar as forças armadas dos recursos necessários para se contrapor às ameaças representadas por China e Rússia. A contenção à China recebeu especial prioridade. A iniciativa chamada “Pacific Deterrence Initiative”, ou Inciativa de Dissuasão do Pacífico, receb...
O Império Contra Ataca: G7, EUA, RPC, etc
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Organizações Internacionais, União Europeia

O Império Contra Ataca: G7, EUA, RPC, etc

No segundo episódio do megassucesso de George Lukas, a “Guerra das Estrelas”, sob a liderança do vilão Darth Vader, o Império procura incansavelmente destruir através da galáxia o grupo dos amigos de Luke. — Han Solo, a Princesa Leia, entre outros. Luke fora treinado pelo Mestre Yoda a usar a Força. Quando finalmente Vader captura seus amigos, Luke precisa decidir se vai completar seu treinamento e se tornar um Cavaleiro Jedi ou confrontar Vader e salvá-los. Tem início o duelo final, e frente a Luke ferido, Vader diz que ambos podem se unir e governar a Galáxia. Luke se recusa a se juntar ao assassino de seu pai, mas Vader revela que ele é, na realidade, Anakin Skywalker, o seu pai. Luke se recusa a acreditar e, sem esperanças, se joga no abismo. Na queda, ele se segura em uma pequena...
Clash of Civilizations: os EUA, a RPC, a campanha “Stop Asian hate” e o tal do Jacaré…
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

Clash of Civilizations: os EUA, a RPC, a campanha “Stop Asian hate” e o tal do Jacaré…

Protestantes na manifestação nacional Stop Asian Hate, em 27/03/2021 (Foto de Axel Koester) No último dia 17/03, um homem branco entrou em uma área de casas de massagem em Atlanta, nos Estados Unidos, e matou oito pessoas, seis delas mulheres descendentes de chineses e coreanos. No Reino Unido, no começo de março, um professor chinês de 37 anos foi espancado por quatro homens brancos que o xingaram de "vírus chinês". O aumento do preconceito e do ódio contra a comunidade asiática pode ser atribuído à disseminação de “fake news” que circulam desde o começo da pandemia, atribuindo aos asiáticos a proliferação do vírus, identificando-os como os únicos responsáveis pela doença, que, como sabemos, originou em Wuhan, na China. Para combater o espraiamento do preconceito nos EUA, um grupo ...
A volta de Trump à presidência em 2024
Américas, Estados Unidos

A volta de Trump à presidência em 2024

Presidente Donald Trump em agosto de 2019; Manchester, New Hampshire. (Staff Photo By Matt Stone/MediaNews Group/Boston Herald) O ex-presidente dos EUA, Donald Trump, está de volta ao jogo político. Tudo indica que veio para ficar e possivelmente recuperar a presidência dos EUA em 2024. A distância até as próximas eleições presidenciais é grande, mas já é possível antever que Trump deverá sair vitorioso naquelas eleições. Trump acaba de lançar novamente sua loja online, na plataforma do Partido Republicando, WinRed. São vendidos produtos cotidianos, como bonés, camisetas e canecas. Além da tradicional mensagem “Make America Great Again” (Torne os Estados Unidos grandes de novo), um novo slogan mostra a estratégia que será seguida: “Don’t Blame Me I Voted for Trump” (não me culpe, ...
Fim(?) da guerra no Afeganistão
Afeganistão, Américas, Ásia, Estados Unidos, Organizações Internacionais, OTAN

Fim(?) da guerra no Afeganistão

Sefa Karacan/Anadolu Agency via Getty Images O Estadão de hoje replica matéria do New York Times segundo a qual o Presidente Joe Biden declarou ontem, 14/04, o fim da presença das tropas dos Estados Unidos no Afeganistão, encerrando o engajamento de vinte anos dos EUA na luta pela pacificação do país e desmantelamento da militância talibã, que já lhes custou mais de US $ 800 bilhões e a vida de 2.218 militares. Segundo o anúncio, os últimos 2,5 mil soldados americanos deixarão o Afeganistão até o dia 11 de setembro, data simbólica, aliás, quando se celebram os vinte anos da invasão ordenada por George W. Bush. Biden afirmou que “sou o quarto presidente a chefiar a presença de tropas no Afeganistão. Dois republicanos. Dois democratas...não vou passar essa responsabilidade para um quinto...
A arrogância do Ocidente e a ascensão da China
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Europa, Organizações Internacionais, União Europeia

A arrogância do Ocidente e a ascensão da China

Do latim progressus, vem a palavra progresso indica avanço, mudança de algo para melhor em relação ao passado. Ainda que a ideia seja antiga, os contornos que apresenta hoje foram forjados no Iluminismo, alcançando sua “automaticidade” com a Revolução Industrial. Assim, hoje nos acostumamos com a ideia de que hoje estamos numa condição melhor do que ontem e que continuaremos a avançar. Em si a proposta não é descabida, mas carrega o risco de nos tornarmos arrogantes, acreditando que hoje vivemos o que há de melhor (para uma leitura mais filosófica dessa perspectiva indico a leitura de A Rebelião das Massas, de Jose de Ortega Y Gasset). Especialmente em função das tecnologias, temos provas concretas de que estamos no momento de maior avanço na história da Humanidad...
Interesses brasileiros nos Estados Unidos ameaçados pela política ambiental do governo Bolsonaro
Américas, Brasil, Estados Unidos

Interesses brasileiros nos Estados Unidos ameaçados pela política ambiental do governo Bolsonaro

Floresta Amazônica (área de Pirititi) (Felipe Werneck/Ibama via AP) No retorno dos Estados Unidos à agenda climática internacional, Biden convidou 40 líderes mundiais, incluindo o presidente brasileiro, para um encontro virtual durante as comemorações do Dia da Terra nos dias 22 e 23 de abril, um marco para a COP26 que acontecerá em novembro em Glasgow. Uma de suas metas é assegurar o compromisso das principais economias do mundo para reduzir as emissões dessa década e manter o limite de aquecimento de 1,5 graus Celsius. Ainda não há confirmação sobre a presença do Presidente Bolsonaro nesse evento. A importância da agenda ambiental internacional para administração Biden evidencia-se, entre outras coisas, pelo peso político do seu enviado especial para o clima, o ex-secretário de es...
O tabuleiro geopolítico: EUA x RPC < Oriente Médio
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Oriente Médio

O tabuleiro geopolítico: EUA x RPC < Oriente Médio

Presidente chinês Xi Jinping (direita) e Presidente iraniano Hassan Rouhani em 2016 (AP Photo/Ebrahim Noroozi). A matéria que o Estadão publicou no dia 28/03 – “China investirá no Irã US$ 400 bi em troca de petróleo” – levanta mais um tema importante na disputa entre chineses e americanos pela hegemonia mundial. Desta feita é o Oriente Médio o foco, região particularmente sensível do planeta, como sabemos. Segundo o artigo, o acordo que foi firmado pelo Chanceler chinês, Wang Yi, e seu contraparte iraniano, Javad Zarif, durante a recente visita que Wang fez a Teerã, prevê investimentos chineses em “uma dezena de setores, incluindo bancos, telecomunicações, portos, ferrovias, saúde e tecnologia da informação... A China concordou em investir US$ 400 bilhões (R$ 2,3 trilhões) no Irã du...