Estados Unidos

Fim(?) da guerra no Afeganistão
Afeganistão, Américas, Ásia, Estados Unidos, Organizações Internacionais, OTAN

Fim(?) da guerra no Afeganistão

Sefa Karacan/Anadolu Agency via Getty Images O Estadão de hoje replica matéria do New York Times segundo a qual o Presidente Joe Biden declarou ontem, 14/04, o fim da presença das tropas dos Estados Unidos no Afeganistão, encerrando o engajamento de vinte anos dos EUA na luta pela pacificação do país e desmantelamento da militância talibã, que já lhes custou mais de US $ 800 bilhões e a vida de 2.218 militares. Segundo o anúncio, os últimos 2,5 mil soldados americanos deixarão o Afeganistão até o dia 11 de setembro, data simbólica, aliás, quando se celebram os vinte anos da invasão ordenada por George W. Bush. Biden afirmou que “sou o quarto presidente a chefiar a presença de tropas no Afeganistão. Dois republicanos. Dois democratas...não vou passar essa responsabilidade para um quinto...
A arrogância do Ocidente e a ascensão da China
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Europa, Organizações Internacionais, União Europeia

A arrogância do Ocidente e a ascensão da China

Do latim progressus, vem a palavra progresso indica avanço, mudança de algo para melhor em relação ao passado. Ainda que a ideia seja antiga, os contornos que apresenta hoje foram forjados no Iluminismo, alcançando sua “automaticidade” com a Revolução Industrial. Assim, hoje nos acostumamos com a ideia de que hoje estamos numa condição melhor do que ontem e que continuaremos a avançar. Em si a proposta não é descabida, mas carrega o risco de nos tornarmos arrogantes, acreditando que hoje vivemos o que há de melhor (para uma leitura mais filosófica dessa perspectiva indico a leitura de A Rebelião das Massas, de Jose de Ortega Y Gasset). Especialmente em função das tecnologias, temos provas concretas de que estamos no momento de maior avanço na história da Humanidad...
Interesses brasileiros nos Estados Unidos ameaçados pela política ambiental do governo Bolsonaro
Américas, Brasil, Estados Unidos

Interesses brasileiros nos Estados Unidos ameaçados pela política ambiental do governo Bolsonaro

Floresta Amazônica (área de Pirititi) (Felipe Werneck/Ibama via AP) No retorno dos Estados Unidos à agenda climática internacional, Biden convidou 40 líderes mundiais, incluindo o presidente brasileiro, para um encontro virtual durante as comemorações do Dia da Terra nos dias 22 e 23 de abril, um marco para a COP26 que acontecerá em novembro em Glasgow. Uma de suas metas é assegurar o compromisso das principais economias do mundo para reduzir as emissões dessa década e manter o limite de aquecimento de 1,5 graus Celsius. Ainda não há confirmação sobre a presença do Presidente Bolsonaro nesse evento. A importância da agenda ambiental internacional para administração Biden evidencia-se, entre outras coisas, pelo peso político do seu enviado especial para o clima, o ex-secretário de es...
O tabuleiro geopolítico: EUA x RPC < Oriente Médio
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Oriente Médio

O tabuleiro geopolítico: EUA x RPC < Oriente Médio

Presidente chinês Xi Jinping (direita) e Presidente iraniano Hassan Rouhani em 2016 (AP Photo/Ebrahim Noroozi). A matéria que o Estadão publicou no dia 28/03 – “China investirá no Irã US$ 400 bi em troca de petróleo” – levanta mais um tema importante na disputa entre chineses e americanos pela hegemonia mundial. Desta feita é o Oriente Médio o foco, região particularmente sensível do planeta, como sabemos. Segundo o artigo, o acordo que foi firmado pelo Chanceler chinês, Wang Yi, e seu contraparte iraniano, Javad Zarif, durante a recente visita que Wang fez a Teerã, prevê investimentos chineses em “uma dezena de setores, incluindo bancos, telecomunicações, portos, ferrovias, saúde e tecnologia da informação... A China concordou em investir US$ 400 bilhões (R$ 2,3 trilhões) no Irã du...
<span lang ="en">Brazil’s oil problem</span>
Américas, Ásia, Brasil, Coréia do Sul, Estados Unidos

O problema do petróleo do brasil

How the current pandemics and recent tendencies could shape the future of oil generation towards low-carbon clean energy substitutes in Brazil? Taking into consideration the rising and volatile prices of oil in the current uncertain scenario promoted by the COVID-19 pandemics, the experienced supply shock caused by industry lockdowns as well as a fragilized reputation of the Brazilian government, the proposed analysis consists in the elaboration of three scenarios around the strategy aim. In a year where the world, despite suffering from the pandemics, committed a record $501.3bi to decarbonization, in which companies, governments and households invested $303.5bi in new renewable energy capacity (BloombergNEF, 2021), the importance of considering the low-carbon energy transition...
O que é o America First?
Américas, Estados Unidos, Europa, França, Reino Unido

O que é o America First?

Ilustração de Eleanor Shakespeare paraTIME Ao longo da história dos Estados Unidos é possível perceber um movimento pendular em torno do eixo Isolacionismo-Intervencionismo. Recentemente há uma tendência de buscar analisar de forma antecipada a política externa dos presidentes dos EUA em função do partido político e sua pretensa ligação com um dos extremos deste eixo (Republicanos com o isolacionismo e Democratas com o intervencionismo). Proponho uma análise que entende esses movimentos de forma mais alongada, baseado em eras. Para entender essa leitura, a primeira pergunta que devemos nos colocar é: o que significa a expressão America First e de onde ela vem? A expressão America First (“Primeiro os Estados Unidos”, numa tradução livre) remonta ao presidente Thomas Jefferson (ter...
Os Uighures, a República Popular da China e o Ocidente
Américas, Ásia, Canadá, China, Estados Unidos, Europa, Organizações Internacionais, Reino Unido, União Europeia

Os Uighures, a República Popular da China e o Ocidente

Província chinesa de Xinjiang | Arte gráfica: VOA A nova fronteira da disputa entre a China e os Estados Unidos ultimamente está-se concentrando na região da República Autônoma de Xinjiang, oficialmente conhecida como “Região Autônoma Uighur de Xinjiang” (XUAR), no noroeste da China, onde vive a etnia Uighur, de religião muçulmana em sua grande maioria. Pequim está sendo acusada de internar indivíduos separatistas em campos de concentração e de esterilizar a população. O Presidente Joe Biden já se manifestou de forma contundente contra o que entende ser uma política deliberada do governo chinês de realizar uma “limpeza étnica” (“an ethnical cleansing”) na região. Casos documentados de trabalho forçado, separação familiar e destruição de mesquitas e outros locais religiosos complemen...
Joe Biden e o tabuleiro geopolítico asiático
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

Joe Biden e o tabuleiro geopolítico asiático

Presidentes Xi Jinping e Joe Biden (em foto de 2015) - AP Photo/Carolyn Kaster Os especialistas têm-se empenhado, nestes primeiros meses de governo, em decifrar os primeiros sinais da estratégia que a administração do Presidente Joe Biden irá desenvolver com relação à China. A pergunta que eles se fazem é se teriam continuidade as práticas de demonização da República Popular da China de Donald Trump, e a “guerra comercial” em que se engalfinharam, desestabilizando não somente o comércio entre os dois hegemons, senão também afetando a todos os demais países, forçados a conviver e eventualmente tomar maior ou menor partido nesta briga de gigantes, da qual, por exemplo, a tecnologia 5G é uma clara evidência. Na “era Trump”, alguns deles alinharam-se com Pequim, por diferentes razões e ...
A ascensão da China, a hegemonia norte-americana e a Armadilha de Tucídides
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

A ascensão da China, a hegemonia norte-americana e a Armadilha de Tucídides

REUTERS/Jason Lee A impressionante ascensão econômica ocorrida na China, especialmente nas três últimas décadas, causou um desequilíbrio no poder global com uma rapidez sem precedentes na história. Em um piscar de olhos, os ocidentais e, em particular, os norte-americanos, foram apresentados a uma nova realidade: os Estados Unidos da América não estavam mais isolados na posição de potência hegemônica no concerto das nações. A China, agora, tornara-se um desafiante capaz de ameaçar a liderança dos norte-americanos, primeiro economicamente e, em seguida, em se mantendo o ritmo atual, militarmente. Embora a velocidade dos acontecimentos que envolvem a atual competição entre China e EUA seja inédita, a dinâmica de uma potência em ascensão desafiar uma potência dominante não é. Isso já a...
Os desafios da política externa do Governo Joe Biden
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Iêmen, Índia, Irã, Oriente Médio

Os desafios da política externa do Governo Joe Biden

Presidente dos EUA Joe Biden Ao completar seu primeiro mês no cargo, o Presidente Joe Biden se defronta com vários desafios na política internacional. O manejo desses desafios começa a revelar os novos rumos da política externa norte-americana. O enfrentamento das múltiplas questões que envolvem o relacionamento EUA/China é desafiado pela incrível complexidade das questões, além da falta de consenso no governo e no Partido Democrata sobre qual deve ser o foco da relação dos EUA com o gigante asiático. Há uma maioria que defende o fim da confrontação política permanente e do esforço de desassociação das economias (decoupling, no termo em inglês), posição defendida por poderosos grupos econômicos que mantém enormes interesses na China. Ao mesmo tempo, muitos integrantes do partido Dem...