Reeleição do primeiro-ministro dos Países Baixos e dificuldade de coalizão

ANP/Picture Alliance

Durante as eleições holandesas, que ocorreram em março de 2021, o líder do partido liberal de direita (VVD), Mark Rutte, foi reeleito com apoio popular para seu quarto mandato como primeiro-ministro do país, mesmo após ter renunciado ao cargo em janeiro do mesmo ano. Contudo, durante o processo de formação das alianças, houve desavenças quanto às novas coligações entre os partidos.

Tais atritos vieram à tona a partir de recentes acusações feitas no início de 2021 sobre Mark Rutte, as quais apontavam mentiras feitas por ele durante a busca para formar a coligação de governo. Uma ministra de seu partido teve anotações vazadas, principalmente a respeito do deputado democrata-cristão Pieter Omtzigt, nas quais dizia que este poderia ser um problema devido às suas críticas ao governo anterior, ao passo que o primeiro-ministro Rutte manteve os democratas-cristãos como partido preferencial para coalizão.

Portanto, apesar de ter sido reeleito, Rutte foi alvo de acusações sobre escândalos de 10 anos atrás, referentes a auxílios para pessoas de baixa renda e para a educação primária. Além dessas, foi acusado de envolvimento em ações corruptas em diversas denúncias, sobre as quais alega não se lembrar de tais atos.

Após as eleições, o Partido Democrata Cristão anunciou que não fará parte de nenhuma outra coalizão ou governo que seja liderado pelo primeiro-ministro Mark Rutte. Ainda assim, o VVD conquistou o maior número de assentos no parlamento e recebeu apoio de dois outros partidos, o D66, de centro-esquerda, e o CDA, de centro-direita.

Dessa forma, a vitória do partido de Mark Rutte foi bem vista pela União Europeia, já que o partido populista holandês PVV, do candidato Geert Wilders, manifesta ideias anti-imigração e expressava a possibilidade de saída do bloco e abandono do euro, contrárias às ideias do partido vencedor VVD. Os esforços do primeiro-ministro, porém, podem não ser suficientes para recuperar a perspectiva de uma nova coligação para o partido. Rutte, por sua vez, alega: “Continuo primeiro-ministro. Vou trabalhar arduamente para recuperar a confiança”.

Referências Bibliográficas:

DUTCH NEWS. Contrite ministers clear way for coalition talks to continue after 15 hour debate. Disponível em:https://www.dutchnews.nl/news/2021/04/176603/ . Acesso em: 10 mai. 2021.

ESTADO DE MINAS: INTERNACIONAL. Partido do primeiro-ministro lidera eleições na Holanda. Disponível em:https://www.em.com.br/app/noticia/internacional/2021/03/17/interna_internacional,1247544/partido-do-primeiro-ministro-lidera-eleicoes-na-holanda.shtml . Acesso em: 10 mai. 2021.

EURONEWS. Dutch Prime Minister Rutte narrowly overcomes no-confidence vote. Disponível em:https://www.euronews.com/2021/04/02/dutch-prime-minister-rutte-narrowly-overcomes-no-confidence-vote  . Acesso em: 10 mai. 2021.

ING. Political drama in the Netherlands will cost time. Disponível em:https://think.ing.com/snaps/political-drama-in-the-netherlands-will-cost-time . Acesso em: 10 mai. 2021.

JORNAL DO COMÉRCIO. Vitória de Mark Rutte na Holanda causa alívio na Europa. Disponível em:https://www.jornaldocomercio.com/_conteudo/2017/03/galeria_de_imagens/552412-vitoria-de-mark-rutte-na-holanda-causa-alivio-na-europa.html . Acesso em: 10 mai. 2021.

O GLOBO. Primeiro-ministro holandês Mark Rutte é reeleito para um quarto mandato. Disponível em:https://oglobo.globo.com/mundo/primeiro-ministro-holandes-mark-rutte-reeleito-para-um-quarto-mandato-24930448 . Acesso em: 11 mai. 2021.

TSF: RÁDIO NOTÍCIAS. Conselho eleitoral holandês confirma vitória de partido do primeiro-ministro Mark Rutte. Disponível em:https://www.tsf.pt/mundo/conselho-eleitoral-holandes-confirma-vitoria-de-partido-do-primeiro-ministro-mark-rutte-13504898.html  . Acesso em: 10 mai. 2021.

Autoras: Luiza Minuci e Patrizia Setton

+ posts

O Núcleo de Estudos e Negócios Europeus (NENE) está ligado ao Centro Brasileiro de Estudos de Negócios Internacionais & Diplomacia Corporativa (CBENI) da ESPM-SP. Foi criado considerando a necessidade de estimular a comunidade acadêmica brasileira e latino-americana a compreender melhor suas relações com os europeus, buscando compreender e aprofundar a Parceria Estratégica Brasil – União Europeia.