ISSN 2674-8053

Crise na fronteira da Polônia com a Bielorrússia

Por Pedro Soares e Isabela Suzuki

Nas últimas semanas acirraram-se as tensões na fronteira entre Polônia e Bielorrússia. No final de agosto, o governo polonês anunciou que vai construir uma cerca de 2,5 metros de altura ao longo de sua fronteira com a Bielorrússia e irá intensificar a presença de militares na região. Logo em seguida, no dia 2 de setembro, o presidente da Polônia Andrzej Duda aprovou um estado de emergência nessa mesma região da fronteira cuja vigência é de 30 dias. Tal disposição impõe uma série de restrições como: proibir residentes de entrarem na área fronteiriça, obrigar moradores a levar documentos de identidade, limitações na cobertura midiática, proibição do porte de armas entre outras.

Tais medidas foram adotadas para conter o alto fluxo de migrantes, sendo estes de boa parte do Oriente Médio, que têm atravessado a fronteira da Bielorrúsia para países do Leste europeu pertencentes à União Europeia (UE), como a própria Polônia, a Lituânia e a Letônia. A UE suspeita que esse fluxo foi coordenado pelo governo da Bielorrússia, tendo o chamado de ataque híbrido cuja finalidade é desestabilizar os países vizinhos. Os países da União Europeia creem que esse ataque vindo de Minsk consiste em uma retaliação orquestrada pelo presidente bielorrusso Alexander Lukashenko às sanções que o seu governo recebeu da UE e aos esforços provenientes dos governos da Lituânia e da Polônia para ajudar opositores do governo Lukashenko. O atual presidente bielorrusso foi reeleito para um sexto mandato em agosto de 2020, e sua vitória possui diversas alegações de fraude. Desde então, seu governo tem reprimido com bastante violência as manifestações realizadas por seus opositores. Uma das ajudas formuladas por Varsóvia foi a criação de um fundo de 11 milhões de euros para ajudar os bielorrussos a obterem vistos e financiarem a sua instalação na Polônia, montante que também foi usado para ajudar ONGs da Bielorrússia.  

Enquanto o muro não fica pronto, militares da Polônia já começaram o trabalho de erguer uma barreira com arames farpados entre a entre a fronteira, com aproximadamente 180 quilômetros, quase metade da extensão entre ambos países. Os polacos almejam o quanto antes que seus objetivos se concretizem, e que consigam promover a estabilidade e evitar a entrada em território europeu de migrantes provenientes da Bielorrússia.

Referências :

WODZIŃSKI,Mateusz. Polónia reforça fronteira com Bielorússia. Euro news. 28 de Agosto de 2021.

No poder desde 1994, Lukashenko é reeleito presidente de Belarus, diz a comissão eleitoral. G1. 10 de Agosto de 2020.

Governo da Polônia aprova estado de emergência na fronteira com Belarus. Estado de Minas. 2 de Setembro de 2021.

SOKOLOWSKI, Czarek. Polónia aprova restrições na fronteira com a Bielorrússia. Euro news. 6 de Setembro de 2021. 

LUSA. Bielorrússia: Polónia e Lituânia anunciam ajuda a opositores. Mundo ao minuto. 14 de Agosto de 2020. 

LUSA. Polónia decreta estado de emergência na fronteira com a Bielorrússia. Expresso. 2 de Setembro de 2021. 

O GLOBO. Polônia vai construir cerca na fronteira com Bielorrússia após Lukashenko ser acusado de usar migrantes como arma. Disponível em: https://oglobo.globo.com/mundo/polonia-vai-construir-cerca-na-fronteira-com-bielorrussia-apos-lukashenko-ser-acusado-de-usar-migrantes-como-arma-25167143.

+ posts

O Núcleo de Estudos e Negócios Europeus (NENE) está ligado ao Centro Brasileiro de Estudos de Negócios Internacionais & Diplomacia Corporativa (CBENI) da ESPM-SP. Foi criado considerando a necessidade de estimular a comunidade acadêmica brasileira e latino-americana a compreender melhor suas relações com os europeus, buscando compreender e aprofundar a Parceria Estratégica Brasil – União Europeia.

Deixe uma resposta