ISSN 2674-8053

Navroz Mubarak

Hoje √© o dia em que a comunidade zoroastrista comemora, na √ćndia e em v√°rios pa√≠ses da √Āsia Central, o Ano Novo. Corresponde, seguindo o calend√°rio persa de mais de tr√™s mil anos, ao primeiro dia da primavera, e celebra a renova√ß√£o da natureza.

Esta celebra√ß√£o est√° profundamente enraizada nos rituais e nas tradi√ß√Ķes do Zoroastrismo, religi√£o fundada por Zoroastro (ou Zaratustra, em persa antigo), e tem lugar, atualmente, em muitos pa√≠ses que foram parte dos antigos imp√©rios iranianos, ou sofreram a sua influ√™ncia. Fora do Ir√£, Navroz (Noruz, para os iranianos) √© comemorado na √ćndia, no Curdist√£o, Afeganist√£o, Alb√Ęnia, nas antigas rep√ļblicas sovi√©ticas, Turquia, e tamb√©m por v√°rias comunidades de origem iraniana no Ocidente e em todo o Oriente M√©dio; at√© mesmo na √Āfrica (Fred Mercury, sul-africano de origem indiana, era parsi, remember?…).

O zoroastrismo √© a mais antiga religi√£o monote√≠sta do planeta, embora existam debates acad√™micos sobre o assunto. Influenciou todas as demais monote√≠stas que se seguiram: o juda√≠smo, o cristianismo, e finalmente o isl√£. Sua origem cultural est√° ligada aos arianos, povo n√īmade que se tornou sedent√°rio por volta de 1.500 AEC, e se estabeleceu no norte da pen√≠nsula do hindust√£o e no planalto persa.

Nasceu das revela√ß√Ķes de Zoroastro (ou Zaratustra), em Sogdiana, no reino da B√°ctria, regi√£o que corresponde atualmente ao leste do Ir√£, Afeganist√£o e Turcomenist√£o. Pouco se sabe, relativamente, sobre a hist√≥ria de Zoroastro. A maior parte vem do Avest√°, uma colet√Ęnea de escrituras religiosas. Acredita-se que ele tenha nascido onde hoje √© o nordeste do Ir√£ ou sudoeste do Afeganist√£o, e viveu na √Āsia Central. Tampouco est√° claro exatamente quando ele poder√° ter vivido. Alguns estudiosos acreditam que foi contempor√Ęneo de Ciro, o Grande, o fundador do Imp√©rio Aquem√™nida, da P√©rsia, no s√©culo VI a.C.

O Zoroastrismo tem como principais caracter√≠sticas o messianismo (a ideia da vinda de um Messias Redentor); a cren√ßa no Para√≠so e no Inferno; no livre arb√≠trio e no julgamento ap√≥s a morte. Estes conceitos podem ter influenciado outros sistemas religiosos e filos√≥ficos, inclusive o juda√≠smo, o gnosticismo, a filosofia grega, o cristianismo, o islamismo e at√© o budismo, segundo os estudiosos. Alguns deles tornaram-se parte integrante de outros credos, como a cren√ßa no Para√≠so, na Ressurrei√ß√£o e no Ju√≠zo Final. A religi√£o est√° centrada na cosmologia dualista do Bem e do Mal e na escatologia, que prev√™ a conquista final do Bem sobre o Mal. Exalta Ahura Mazda, divindade n√£o criada e benevolente, como o Ser Supremo. Segundo Zoroastro, Ahura Mazda √© a for√ßa criativa e sustentadora de todo o universo, atrav√©s de Asha Vahishta, a “Verdade Perfeita‚Äú. Ahura Mazda est√° personificado no Fogo Sagrado.

Os seus fundamentos, tal como definidos no Avest√°, pregam a exist√™ncia de duas divindades, que personificam o Bem (Ahura Mazda) e o Mal (Ahriman). Ahura Mazda, ou Ormuz – o princ√≠pio do Bem – vive em luta constante contra seu irm√£o g√™meo, Ahriman – o princ√≠pio do mal -, Senhor das Trevas e do Caos, ambos filhos do deus criador, Zurvan, o Tempo. Ahriman, respons√°vel pelas enfermidades, pelos desastres naturais, pela morte e por tudo o que √© negativo, n√£o deve ser entendido como uma divindade propriamente dita: ele √© a energia negativa que se op√Ķe √† energia positiva de Ahura-Mazda. Da luta entre estas for√ßas divinas, sairia vencedor o Bem. Os seres humanos t√™m o direito de escolha entre apoiar, ou n√£o, Ahura Mazda, e s√£o respons√°veis por esta escolha.

O Ano Novo zoroastrista √© comemorado com foco na Renova√ß√£o, e tudo o que este sentimento significa. Formalmente ele se manifesta na limpeza de casa, uso de roupas novas, doa√ß√£o de presentes e a√ß√Ķes de caridade. . O dia 21 de mar√ßo foi proclamado como o “Dia Internacional do Noruz” (Navroz) pela Assembleia Geral da ONU, em 2010, por iniciativa de v√°rios pa√≠ses que compartilham este feriado. Foi tamb√©m inscrito, em 2009, como ‚ÄúPatrim√īnio Cultural Imaterial da Humanidade‚ÄĚ, como uma tradi√ß√£o cultural observada por numerosos povos que promove valores de paz e solidariedade entre gera√ß√Ķes e dentro das fam√≠lias, bem como a reconcilia√ß√£o, a aproxima√ß√£o e a amizade entre diferentes povos (algo muito necess√°rio nos dias de hoje…).

NAVROZ MUBARAK TO ALL MY PARSI FRIENDS IN INDIA!!!!!

Fausto Godoy
Doutor em Direito Internacional P√ļblico em Paris. Ingressou na carreira diplom√°tica em 1976, serviu nas embaixadas de Bruxelas, Buenos Aires, Nova D√©li, Washington, Pequim, T√≥quio, Islamabade (onde foi Embaixador do Brasil, em 2004). Tamb√©m cumpriu miss√Ķes transit√≥rias no Vietn√£ e Taiwan. Viveu 15 anos na √Āsia, para onde orientou sua carreira por considerar que o continente seria o mais importante do s√©culo 21 ‚Äď previs√£o que, agora, v√™ cada vez mais perto da realidade.