ISSN 2674-8053

Mudanças climáticas (redução de emissões)

Artigo elaborad por Isabela Suzuki Paro e Pedro Silveira Soares

As mudanças climáticas é um dos assuntos mais discutidos atualmente e que se encontra no topo da agenda internacional. O colapso ambiental que vem acontecendo é uma grande ameaça à saúde humana e coloca em risco o futuro de todos os seres vivos, principalmente em lugares onde as pessoas já não têm acesso ou estão excluídas dos cuidados básicos. Além das temperaturas desreguladas, falta de alimentos, furacões, tempestades, enchentes, secas, cidades ameaçadas pelo nível dos mares, poluição de águas e ares, as mudanças climáticas podem levar a desenvolver até novas pandemias. Segundo o relatório do painel intergovernamental sobre mudanças climáticas, os impactos climáticos devastadores podem se tornar reais nos próximos 30 anos.

O aumento dos gases de efeito estufa na atmosfera (aquecimento global) está totalmente interligado às mudanças bruscas, sendo uma das principais causas.  A superfície da Terra recebe ininterruptamente raios solares, que são refletidos de volta ao espaço pela superfície do nosso planeta e outros componentes da atmosfera. Os gases de efeito estufa absorvem parte dessa radiação que seria lançada de volta ao espaço, mantendo, assim, o planeta aquecido.

A importância de se pensar em maneiras e saídas ecologicamente corretas vem tomando grandes repercussões, por se tratar de um tema de grande urgência para a sociedade internacional, já que as consequências dessas mudanças atingem a todos. É por isso que as Nações Unidas criaram a 26ª Conferência sobre Mudança do Clima, sendo a maior e a mais importante conferência sobre o clima do planeta. A COP 26 surge como uma janela de oportunidade para evitar uma série de catástrofes, contando com a ajuda e cooperação de 200 países para acelerar a ação em direção aos objetivos do Acordo de Paris e da Convenção Quadro das Nações Unidas sobre Mudança do Clima.

Tratando-se dos esforços do continente europeu para endereçar a questão, a União Europeia divulgou em julho deste ano um ambicioso plano que visa combater as mudanças climáticas e descarbonizar a economia do bloco. Esse plano é composto por 12 medidas e pode ser resumido/compreendido em cinco pontos:

Estabelecimento de limites de emissão mais rígidos para carros, prevendo o fim das vendas de automóveis movidos a gasolina e a diesel até 2035 como forma de reduzir a zero as emissões de CO2 para este setor, ao mesmo tempo que promoverá incentivos para produção e venda de carros elétricos.

Criação de impostos sobre os combustíveis usados na aviação.

Criação de uma tarifa da “fronteira de carbono”, que exigiria a fabricantes de fora da UE uma taxa a mais pela importação de alguns materiais, como aço e concreto.

Estabelecimento de metas bem ambiciosas, como reduzir suas emissões para 55% até 2030, além de buscar investir 30% do seu orçamento de longo prazo em questões ligadas ao combate das mudanças climáticas.

Renovações e reformas em prédios.

O Alto Representante para a Política Externa da União Europeia (UE), Josep Borrell, realizou, entre fins de outubro e começo de novembro, um tour pela América Latina, tendo finalizado esse giro em uma visita ao Brasil. Durante sua passagem pelo país, ele se encontrou com o presidente do Senado, Rodrigo Pacheco, na mesma semana em que aprovaram no alto parlamento um projeto que atualiza a legislação nacional aos termos do Acordo de Paris. Borell demonstrou contentamento com a legislação atualizada, já que o movimento aconteceu em paralelo com as novas e ambiciosas metas anunciadas pela delegação brasileira durante a COP 26. Ele acredita que isso pode acelerar o processo de ratificação do acordo comercial entre a UE e o Mercosul, que, no momento, se encontra travado. Cabe ressaltar que, um dos motivos que gera relutância em muitos países europeus de ratificar o acordo é o desmatamento da Amazônia e o descaso do atual governo com questões relacionadas à preservação ambiental.

Muitas empresas estão cada vez mais adotando posturas responsáveis com ações para combater as mudanças climáticas. As indústrias da moda se mostraram comprometidas com políticas ecológicas, atitudes que visam alcançar o zero líquido ou a ambição de ser carbono positivo, já que o setor industrial é responsável por entre 2% e 8% das emissões globais de carbono no mundo. A Carta da Indústria da Moda das Nações Unidas para a Ação Climática, constituída em 2018, foi assinada por 130 marcas, sendo algumas Gucci, Burberry e Chanel.  As empresas em questão estão dispostas a intensificar as medidas para reduzir os impactos e efeitos negativos ambientais, se comprometendo a diminuir, pela metade, as emissões de gases de efeito estufa até 2030.

O planeta Terra, o meio ambiente e o ar que o homem respira, estão interligados e que todos os seres humanos de todos os continentes consomem e necessitam. A integridade e preservação desses fatores é essencial para a sobrevivência das próximas gerações. Estando tudo conectado e integrado, o enfrentamento das mudanças climáticas deve ser realizado multilateralmente entre as nações. É necessária a cooperação e o diálogo entre elas, portanto, fóruns com essa temática como o COP são imprescindíveis, já que, com apenas um país estando fora da curva e degradando o meio ambiente unilateralmente, não só os habitantes daquele país, como todos os seres vivos no planeta, serão prejudicados.

Referências:

G1. Entenda em 5 pontos o novo plano da União Europeia para combater mudanças climáticas. 14 de Julho de 2021. Disponível em: https://g1.globo.com/mundo/noticia/2021/07/14/ue-lanca-plano-para-combater-mudancas-climaticas.ghtml

NOTÍCIAS UOL. Chefe da diplomacia da UE pede Brasil comprometido contra a mudança climática. 5 de Novembro de 2021. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/meio-ambiente/ultimas-noticias/redacao/2021/11/05/chefe-da-diplomacia-da-ue-pede-brasil-comprometido-contra-a-mudanca-climatica.htm

ONU NEWS. Na COP26, mais de 130 empresas de moda prometem reduzir emissões de CO2. 11 Novembro 2021. Disponível em: https://news.un.org/pt/story/2021/11/1769992

CHAN, EMILY. Como a moda está aumentando seus esforços para melhorar o clima na COP26. 9 de Novembro de 2021. Disponível em: https://www.vogue.com/article/cop26-un-fashion-charter-climate-change-efforts

BBC NEWS. Um guia rápido para entender as mudanças climáticas. 18 Outubro 2021. Disponível em: https://www.bbc.com/portuguese/geral-58928083

Núcleo de Estudos e Negócios Europeus
O Núcleo de Estudos e Negócios Europeus (NENE) está ligado ao Centro Brasileiro de Estudos de Negócios Internacionais & Diplomacia Corporativa (CBENI) da ESPM-SP. Foi criado considerando a necessidade de estimular a comunidade acadêmica brasileira e latino-americana a compreender melhor suas relações com os europeus, buscando compreender e aprofundar a Parceria Estratégica Brasil – União Europeia.

Deixe uma resposta