ISSN 2674-8053

Os Uighures, a República Popular da China e o Ocidente

Província chinesa de Xinjiang | Arte gráfica: VOA

A nova fronteira da disputa entre a China e os Estados Unidos ultimamente está-se concentrando na região da República Autônoma de Xinjiang, oficialmente conhecida como “Região Autônoma Uighur de Xinjiang” (XUAR), no noroeste da China, onde vive a etnia Uighur, de religião muçulmana em sua grande maioria.

Pequim está sendo acusada de internar indivíduos separatistas em campos de concentração e de esterilizar a população. O Presidente Joe Biden já se manifestou de forma contundente contra o que entende ser uma política deliberada do governo chinês de realizar uma “limpeza étnica” (“an ethnical cleansing”) na região. Casos documentados de trabalho forçado, separação familiar e destruição de mesquitas e outros locais religiosos complementam as acusações. Ex-detentos alegam que foram submetidos a doutrinação, abusados sexualmente e esterilizados à força. Como reação, o Departamento de Comércio dos EUA impôs restrições comerciais contra mais de 30 empresas chinesas por seu papel na repressão.

A União Europeia, o Canadá e a Grã-Bretanha acompanharam os americanos. O bloco europeu acusou as autoridades chinesas de serem “responsáveis por graves violações dos direitos humanos, em particular detenções arbitrárias em larga escala infligidas aos uighures e pessoas de outras minorias étnicas muçulmanas”. Ipso facto, impuseram igualmente, no último dia 22/03, sanções coordenadas contra altos funcionários chineses, entre as quais a proibição de entrada em seus territórios e o congelamento de ativos de quatro deles. Tal decisão ocorreu após longas negociações que, por sua vez, expuseram as divisões do bloco sobre como lidar com a China, importante parceiro comercial – e concorrente – para muitos deles, segundo os observadores. Esta é, aliás, a primeira vez, que a UE adota tais medidas contra a RPC desde a repressão da Praça Tian an men, em 1989.

As Nações Unidas estimam que mais de 1 milhão de uighures e membros muçulmanos de outras minorias turcomanas estão detidos nos chamados “campos de reabilitação” criados por Pequim na região. O número poderia ser superior a 2 milhões, de acordo com um funcionário do Departamento de Estado dos EUA. Mais recentemente, vários países e parlamentos, incluindo os EUA, o Canadá e os Países Baixos, declararam que a repressão às minorias muçulmanas equivale a um “genocídio” e viola a “Convenção das Nações Unidas sobre o Genocídio”. O “Congresso Mundial Uighur”, um grupo com sede na Alemanha que representa os uighures no exílio, aplaudiu as medidas.

Tendo em vista a sensibilidade do assunto, e seu peso moral para todos nós, acho conveniente fazermos uma vez mais recurso à História para tentarmos situar os fatos…

Os uighures falam uma língua própria, semelhante à turca e se veem cultural e etnicamente próximos das nações da Ásia Central. Como nas últimas décadas houve uma migração em massa de chineses Han para Xinjiang, os uighures sentem que sua cultura e forma de subsistência estão sob ameaça.

Eles representam menos da metade da população de Xinjiang: cerca de 12 milhões de pessoas num universo de 25 milhões de habitantes, e de 1,4 bilhão de chineses de maioria étnica “han”, segundo o censo de 2021. Eles compartilham esse território com vários outros grupos étnicos: turcomanos, cazaques, hans, tibetanos, tajiks, huis, mongóis, russos e xibes, para citar os mais representativos. Muitos não são muçulmanos. Ou seja, os uighures não representam a maioria da população da região, o que lhes impede, segundo alguns analistas, de postular unilateralmente a independência de Xinjiang, como querem os mais radicais. A bem da verdade, no início do século XX eles alcançaram uma breve independência em meio às comoções que engolfaram a China na esteira da queda do império Qing, até que a região fosse trazida sob o controle completo do novo governo comunista, em 1949.

E o que diz a China?

O Ministério das Relações Exteriores da China reagiu às sanções da UE afirmando que elas “prejudicam a soberania da China” e são “baseadas em nada além de mentiras e desinformação, desconsiderando e distorcendo os fatos”. O governo central enfatiza que a repressão é necessária para prevenir a militância e erradicar o terrorismo islâmico que tem aumentado nestes últimos tempos: os “campos de reeducação”, como eles os chamam, são uma ferramenta eficaz para reeducar os mais radicais. As autoridades Insistem em que militantes muçulmanos estão travando uma campanha violenta em prol de um Estado independente, tramando bombardeios, sabotagem e agitação cívica, “como comprovam os crescentes atos terroristas”. E rejeitam, como “infundadas”, as alegações de que estão tentando reduzir a população uighur através de esterilizações em massa. Acrescentam que as acusações de trabalho forçado são “completamente fabricadas”. Será?

Recorrendo à História, é bom relembrar que desde as iniciativas dos missionários ocidentais em cristianizar a população durante o Império Qing a questão religiosa constitui tema muito sensível para os chineses. E o conluio nefasto entre o ativismo missionário e o colonialismo ocidental, que descambou no “século das humilhações”, deixou cicatrizes profundas e criou clivagens entre a Igreja Católica da China e as autoridades governamentais que perduram até hoje….

Dois pesos e duas medidas/versões: o foco para os chineses, afinal, não é a etnia, mas a fé que os uighures professam. É o terrorismo islâmico que grassa no Oriente e no Ocidente que os assusta. Eles, aliás, referem-se aos exemplos das guerras no Iraque, Afeganistão e na Síria como exemplos do que não querem “importar”… Religião é assunto sério na China…

Estaria a “questão Uighur” se tornando no mais novo epicentro da confrontação China/EUA/Ocidente? Na era “Trump” foi a “guerra comercial”; agora seriam as infrações aos direitos humanos, tema caro ao Presidente Joe Biden e a administração democrata? E desta feita acompanhado pelos europeus?

Teria Rudyard Kipling infelizmente razão quando afirmou que “Oh, East is East, and West is West, and never the twain shall meet” ?

Sugiro aos amigos que leiam a matéria “Boxed in On China” que o Prof. Stephen Roach publicou no “Project Syndicate”:

 

PROJECT-SYNDICATE.ORG

Boxed In On China | by Stephen S. Roach – Project Syndicate

+ posts

Doutor em Direito Internacional Público em Paris. Ingressou na carreira diplomática em 1976, serviu nas embaixadas de Bruxelas, Buenos Aires, Nova Déli, Washington, Pequim, Tóquio, Islamabade (onde foi Embaixador do Brasil, em 2004). Também cumpriu missões transitórias no Vietnã e Taiwan. Viveu 15 anos na Ásia, para onde orientou sua carreira por considerar que o continente seria o mais importante do século 21 – previsão que, agora, vê cada vez mais perto da realidade.