ISSN 2674-8053

Afeganistão

O Afeganistão na encruzilhada (III) – os talibãs, o EI-K, os hazaras e a China
Afeganistão, Ásia, China

O Afeganistão na encruzilhada (III) – os talibãs, o EI-K, os hazaras e a China

Um grupo de hazaras de Daykundi observando o Corpo de Engenheiros do Exército dos EUA inspecionar um local do projeto em sua província (Foto Wikipedia) No último dia 8/10, um militante do Estado Islâmico-K/EI-K (por Korazan, falange afegã do Estado Islâmico), perpetrou um atentado suicida contra uma mesquita xiita na cidade de Kunduz, no norte do país, e matou dezenas de fieis, confirmando o crescente enfrentamento entre os sunitas e a comunidade xiita. Este é mais um episódio que revela a enorme dificuldade que o Talibã encontrará para se afirmar como governo legítimo do país, tanto interna quanto externamente. Numa postagem anterior eu havia assinalado que o intento hercúleo do Talibã de concretizar sua ânsia de retomar o poder desde que, em 2001, foi rechaçado de Cabul pelas trop...
O Afeganistã na encruzilhada (II) – o gabinete do governo interino
Afeganistão, Ásia

O Afeganistã na encruzilhada (II) – o gabinete do governo interino

Zabihullah Mujahid, Porta vorz do Taliban durante uma coletiva de imprensa em Kabul (6/setembro;2021). EPA-EFE/FILE/STRINGER O Talibã informou ontem, 07/09, os nomes dos integrantes do gabinete interino do governo que instalou em Cabul em 15/08. Diferentemente do que havia anunciado anteriormente, qual seja, estabelecer um critério inclusivo que abrigasse as várias vertentes que compõem a complexa malha étnica e política do país - o que havia gerado uma certa expectativa otimista de parte da comunidade internacional – todos os nomes anunciados são de líderes já estabelecidos, e nenhuma mulher foi incluída. Na verdade, esses nomes remetem à linhagem histórica do movimento radical que predominou no Afeganistão entre 1996 e 2001. E muitos deles despertam má lembrança... Lidera o ga...
Cemitério de impérios
Afeganistão, Américas, Ásia, China, Estados Unidos

Cemitério de impérios

Decolagem de avião da força aérea dos EUA no Aeroporto de Cabul A cena pareceu familiar aos norte-americanos. Um helicóptero de suas Forças Armadas sobrevoou a Embaixada dos EUA num país distante, recolheu passageiros para uma evacuação às pressas, enquanto o inimigo se aproximava por todos os lados. As tropas, depois de longa guerra, estão retornando para casa sem poder comemorar a vitória. As semelhanças entre a retirada de Saigon, ao fim da Guerra do Vietnã, e a retirada de Cabul no último domingo, 15 de agosto, marcando o fim da Guerra do Afeganistão, são óbvias e inescapáveis. Tudo aconteceu numa velocidade espantosa. Numa ofensiva de cerca de dez dias, o Taleban conquistou todas as capitais provinciais e chegou à capital do Afeganistão, Cabul. O presidente Ashraf Ghani fugiu p...
O Afeganistão numa encruzilhada: cenários
Afeganistão, Ásia

O Afeganistão numa encruzilhada: cenários

Pois é...o Talibã é o dono do poder no Afeganistão, e não há muito o que o mundo possa fazer até que a situação no país esteja mais clara. Fecha-se o círculo cujo traçado teve início em dezembro de 1991 quando as tropas da “Enduring Freedom” e da “International Security Force” (ISAF), da ONU, lideradas pelos americanos, entraram em Cabul e expulsaram o grupo para as áreas rurais inóspitas nas províncias do Afeganistão, que entrou, então, na clandestinidade, mas nunca foi dizimado. Decorridos vinte anos retorna-se à “estaca zero”: eles foram... e voltaram... Neste ínterim mudou a sociedade afegã, que passou a conviver com uma certa segurança e liberdade, sobretudo no que toca às mulheres, e com uma sensação de “normalidade”, administrada por um governo frágil, pelas tropas ocidentais e ...
A crônica da morte anunciada: a queda de Cabul
Afeganistão, Ásia

A crônica da morte anunciada: a queda de Cabul

Taliban assume controle sobre o palácio presidencial do Afeganistão. © AP A imprensa do Afeganistão acaba de noticiar a queda de Cabul hoje pela manhã. Os talibãs ocuparam enfim a capital, finalizando um ciclo estratégico delineado pelo avanço de suas milícias pelas capitais provinciais enquanto a liderança discutia em Doha, no Qatar, a formação de um governo compartilhado com as autoridades constituídas do Afeganistão. Sabia-se desde sempre que, na realidade, estas discussões, que incluíram representantes do governo americano e de outros países, estavam destinadas, no fundo, a “ganhar tempo” para que os rebeldes talibãs fossem ganhando terreno em todo o país. Em definitivo, tratava-se de um jogo de cena para “engabelar” os negociadores ocidentais, que de público se comprometiam em ...
Os chineses e os talibãs…
Afeganistão, Ásia, China

Os chineses e os talibãs…

Foto: chinamission.be No último dia 28/07/2021, uma delegação de importantes membros do grupo talibã, do Afeganistão, chefiada pelo seu co-fundador e líder do comitê político, Mullah Abdul Ghani Baradar, encontrou-se em Tianjin, na China, com ninguém menos que o Chanceler Wang Yi para tratar de temas de grande sensibilidade para os chineses nas esferas política, econômica e de segurança. Foi a primeira vez que um membro “senior” da organização visita a China desde que os radicais sunitas capturaram vários distritos-chave nas províncias de Badakhshan e Kandahar e, segundo as notícias, assumiram o controle de cerca da metade do país, até a fronteira com a região chinesa de Xinjiang, ainda que por ora não controlem nem a capital e nem o governo. Wang disse que a retirada das tropas ...
Crônica da morte anunciada (II)… ou a iminência da tragédia afegã
Afeganistão, Ásia

Crônica da morte anunciada (II)… ou a iminência da tragédia afegã

Na edição de 13/7/2021 o Estadão replica matéria do “The Economist” cujo título - “ Missão dos EUA no Afeganistão foi um fiasco” - é tragicamente autoexplicativo. Recorrendo à memória histórica, este roteiro parece um “déjà vu”: o mesmo aconteceu no Vietnã, no Iraque, na Líbia, na Síria; e tal como aconteceu com estes países, o ciclo da presença americana/ocidental no Afeganistão se encerra da mesma forma de sempre: um fiasco, como o “The Economist” qualifica. O Taleban já se prepara para ocupar o espaço deixado pelas tropas ocidentais e, segundo a grande maioria dos analistas, dentro muito em breve voltará a assumir o poder absoluto em Cabul e imporá novamente uma governança islâmica ultraconservadora, com base no estrito código legal muçulmano – a Sharia -, a exemplo do que ocor...
Crônica da morte anunciada… ou a tragédia afegã
Afeganistão, Américas, Ásia, Estados Unidos

Crônica da morte anunciada… ou a tragédia afegã

Presidente do Afeganistão Ashraf Ghani em 2019 (REUTERS NO RESALES. NO ARCHIVE - RC142B0FF7F0) Ontem, 25/06, o Presidente do Afeganistão, Ashraf Ghani, acompanhado do seu Primeiro-Ministro e Presidente do Alto Conselho para a Reconciliação Nacional – e antagonista político – Abdullah Abdullah, encontraram-se na Casa Branca, com o Presidente Joe Biden para estabelecer um roteiro para o país após a partida das tropas americanas, fixadas para o dia 11 de setembro, data fatídica da tragédia do “World Trade Center”, aliás. Diante da convulsão político-social que se prenuncia com a partida do contingente americano, a porta-voz da Casa Branca, Jen Psaki, reafirmou o compromisso dos EUA com a governabilidade do país. Em comunicado, ela afirmou que “os Estados Unidos estão comprometidos em a...
O fim (?) da Guerra do Afeganistão II
Afeganistão, Ásia, Organizações Internacionais, OTAN

O fim (?) da Guerra do Afeganistão II

Soldados do Hospital Naval dos EUA e US Mariners no Afeganistão (Foto Reuters) Polemizando... Eu comentei no artigo Fim (?) da Guerra no Afeganistão, no dia 14/04, a decisão do Presidente americano Joe Biden de que as tropas americanas abandonem definitivamente o Afeganistão. Segundo o anúncio da Casa Branca, os últimos contingentes, de 2,5 mil soldados, deixarão o país até o dia 11 de setembro, data simbólica, aliás, quando se celebram os vinte anos da invasão ordenada por George W. Bush. Esta decisão repercute as intensas e por vezes dramáticas negociações que tiveram lugar em Doha, no Qatar, entre autoridades americanas e representantes dos talibãs, testemunhadas por representantes de alguns países da região, mas sem a presença de enviados do governo de Cabul, que culminaram n...
Fim(?) da guerra no Afeganistão
Afeganistão, Américas, Ásia, Estados Unidos, Organizações Internacionais, OTAN

Fim(?) da guerra no Afeganistão

Sefa Karacan/Anadolu Agency via Getty Images O Estadão de hoje replica matéria do New York Times segundo a qual o Presidente Joe Biden declarou ontem, 14/04, o fim da presença das tropas dos Estados Unidos no Afeganistão, encerrando o engajamento de vinte anos dos EUA na luta pela pacificação do país e desmantelamento da militância talibã, que já lhes custou mais de US $ 800 bilhões e a vida de 2.218 militares. Segundo o anúncio, os últimos 2,5 mil soldados americanos deixarão o Afeganistão até o dia 11 de setembro, data simbólica, aliás, quando se celebram os vinte anos da invasão ordenada por George W. Bush. Biden afirmou que “sou o quarto presidente a chefiar a presença de tropas no Afeganistão. Dois republicanos. Dois democratas...não vou passar essa responsabilidade para um quinto...