Filipinas

E la nave va… retorno ao mundo bipolar?
Ásia, Brunei, Camboja, Filipinas, Indonésia, Laos, Myanmar, Singapura, Tailândia, Vietnam

E la nave va… retorno ao mundo bipolar?

Após oito anos de negociações, e por vídeo-conferência em razão da pandemia da COVID-19, treze países da Ásia e dois da Oceania firmaram, no dia 15 deste mês de novembro, a “Parceria Regional Econômica Abrangente”/RCEP. Por ela se comprometeram a alavancar as relações de livre-comércio na região da Ásia-Pacífico. O documento, que uniu os dez países–membros da Associação das Nações do Sudeste Asiático/ASEAN- Indonésia, Malásia, Filipinas, Brunei, Camboja, Singapura, Laos, Myanmar, Tailândia e Vietnã - e os cinco parceiros da Área de Livre Comércio (ALC) da associação – China, Japão, Austrália, Nova Zelândia e Coreia do Sul – prevê a redução de tarifas e a abertura do comércio de serviços em todo o bloco. A Índia, que participou das negociações, decidiu não aderir nesta etapa pelas c...
Autoritarismo: a faca de dois gumes do Sudeste Asiático
Ásia, Bangladesh, Brunei, Camboja, China, Filipinas, Indonésia, Japão, Laos, Malásia, Myanmar, Singapura, Tailândia, Vietnam

Autoritarismo: a faca de dois gumes do Sudeste Asiático

PAD Demonstration. Sukhumvit Road. Bangkok. 20th October 2008. A palavra diversidade pode definir o Sudeste Asiático. São tantos dialetos, etnias, povos e religiões em apenas 4.100.000 km², que se torna consenso a singularidade da região e de todo o subcontinente. A China de Mao Zedong, é um padrão que se repete atualmente no Sudeste Asiático, quando o governo autoritário deu os primeiros passos para erradicar a miséria e homogeneizar a população criando os esteios da China contemporânea. O processo foi impulsionado por Deng Xiaoping, em 1979, ao iniciar o a abertura do país para o mundo. Como um espelho, o sudeste asiático, marcado por países tão culturalmente diferentes vem convergindo em um padrão intrigante: democracias frágeis, governos autoritários e o desenvolvimento geral da...
O binômio filipino: desenvolvimento econômico só será possível com repressão política?
Filipinas

O binômio filipino: desenvolvimento econômico só será possível com repressão política?

A complexidade do cenário político filipino reside na dependência majoritária das relações interpessoais. A grande amplitude do poder patriarcal do “homem cordial brasileiro”, também está presente na sociedade filipina, o que pode ser explicado de certa forma pelas semelhanças na colonização ibérica de ambos países, bem como as amplas estruturas de corrupção no país, que também podem ser consideradas assemelhadas às  “heranças ibéricas”. Para os filipinos, o poder de uma família não é necessariamente relacionado com a riqueza, mas sim com as pessoas que ela consegue influenciar, tanto nas classes médias quanto nas camadas mais pobres da população, que raramente se candidatam a cargos públicos. Neste conluio simbiótico, para ganhar eleições nas províncias, as famílias influentes de...