Rússia

Criméia 7 anos depois: por que ainda mantemos as sanções comerciais?
Europa, Rússia, Ucrânia

Criméia 7 anos depois: por que ainda mantemos as sanções comerciais?

Há exatos 7 anos (16/03/2014) era organizado um referendo para a anexação/junção da Criméia à Rússia, deixando de ser um território ucraniano. Na época, o resultado foi de 97% a favor dessa mudança. A comunidade internacional condenou o referendo, dizendo que tinha sido fraudado e realizado sob ameaças. O resultado alto também se deve a um boicote daqueles que eram contrários à junção. Todos esses anos se passaram e pouco se fala da região atualmente. Qual o papel que a comunidade internacional deve desempenhar a partir de agora? Algumas organizações de direitos humanos têm acusado o governo russo de repressão local, com a perseguição de dissidentes – especialmente os muçulmanos da etnia Tatar, alguns considerados terroristas. Ao mesmo tempo, pesquisas internas têm mostrado que a p...
Parem de falar que estamos numa nova Guerra Fria
Américas, Brasil, Estados Unidos, Europa, Rússia

Parem de falar que estamos numa nova Guerra Fria

Charge postada no Global Village Space É comum vermos análises falando que estamos entrando numa nova Guerra Fria. Geralmente isso acontece a cada movimento mais incisivo feito pelo governo Chinês. Basicamente a ideia é que os Estados Unidos estariam em um polo de poder e a China viria para ocupar o polo oposto, questionando o poderio norte-americano. Ainda que possa ser verdade a questão das tensões em torno das projeções de poderes, é incorreto dizer que isso é uma Guerra Fria. O que foi a Guerra Fria? De uma forma mais superficial foi o embate indireto entre Estados Unidos e União Soviética (basicamente sustentado na corrida atômica). Em termos mais estruturais, a grande questão foi a competição entre dois modelos de organização político-econômica auto-excludentes. Em última i...
Violência e Opressão: os Protestos na Bielorrússia
Bielorússia, Europa, Rússia

Violência e Opressão: os Protestos na Bielorrússia

Presidente Alexander Lukashenko, foto Picture Alliance Desde agosto de 2020 a Bielorrússia enfrenta forte instabilidade e vivência uma onda de protestos crescente contra o presidente Aleksandr Lukashenko. O descontentamento da população tornou-se evidente já no período que antecipou as eleições que garantiram a Lukashenko o seu sexto mandato, num processo marcado por suspeitas de fraudes eleitorais e opressão de oposições políticas. Considerado o “último ditador na Europa”, Lukashenko é um ex-soldado da União Soviética e o único presidente que a Bielorrússia já possuiu. As últimas eleições aconteceram no dia nove de agosto. Inicialmente, Lukashenko concorria contra Sergei Tikhanovsky, blogger pró-democracia, mas sua prisão arbitrária levou à revogação de sua candidatura. Substi...
Os BRICS como um ensaio para o novo Bretton Woods
África, África do Sul, Américas, Ásia, Brasil, BRICS, China, Europa, Índia, Organizações Internacionais, Rússia

Os BRICS como um ensaio para o novo Bretton Woods

Foto: Divulgação/The Economist 2015 é um ano potencialmente importante para o posicionamento internacional brasileiro, foi quando foi criado o Novo Banco de Desenvolvimento (https://www.ndb.int/) pelos países formados do BRICS (Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul). O Banco veio como uma alternativa aos já consolidados Banco Mundial (https://www.worldbank.org/en/who-we-are/ibrd) e Banco Interamericano de Desenvolvimento (https://www.iadb.org/pt/sobre-o-bid/visao-geral). Ainda que o primeiro também esteja sob forte influência europeia, ambos estão numa esfera de controle dos Estados Unidos. Em termos gerais, o Banco dos BRICS se foca no apoio ao desenvolvimento de obras estruturais, especialmente ligadas à infraestrutura. Por outro lado, tem também uma função política import...
O fim do Sistema Multilateral, que nunca foi multilareal
China, Estados Unidos, Rússia

O fim do Sistema Multilateral, que nunca foi multilareal

A Organização Mundial do Comércio não é uma instituição que foi criada na Conferência de Bretton Woods, em 1944. Mas é possível dizer que ela é resultante deste processo, na medida em que é resultado direto do Acordo Geral de Tarifas e Comércio (chamado de GATT), a partir da chamada Rodada Uruguai. Isso é importante considerar pois, juntamente com todo o Sistema da Organização das Nações Unidas, a OMC é um dos grandes símbolos do sistema multilateral. Desde o final da II Guerra Mundial os Estados vem buscando o caminho do multilateralismo como sua principal estratégia para interação internacional. O auge deste caminho ocorreu na década de 1990, marcada por importantes conferências internacionais (como Eco-92; Conferência de Viena sobre Direitos Humanos; Conferência do Cairo sobre p...
O Ártico para além da geopolítica
Canadá, Estados Unidos, Rússia

O Ártico para além da geopolítica

Pesquisas recentes indicam que o buraco da camada de ozônio diminuiu no Hemisfério Sul, porém se abriu no Hemisfério Norte. Para se ter uma ideia, o aquecimento global na região é duas vezes mais intenso do que a média global. Além dos possíveis impactos ambientais, essa é uma região que deverá chamar mais a atenção do mundo. A Região Ártica é reconhecida como a região do Hemisfério Norte no qual a temperatura média do mês mais quente do ano não ultrapassa os 10ºC. Projeções indicam que haja algo em torno de US$ 35 trilhões  em reservas de gás e petróleo na região, além de outros recursos minerais. Em função disto, há uma disputa entre os países da região em termos de domínio pelos recursos. Diversos países fazem “fronteira” com a região ártica. Os dois países com maior fro...
Para sempre Putin?
Rússia

Para sempre Putin?

Mikhail Klimentyev, AP Em 15 de janeiro último, durante seu discurso anual à nação o presidente russo Vladimir Putin anunciou seu desejo de reformar o sistema político russo por meio de uma emenda constitucional. Logo após seu discurso Putin recebeu das mãos de seu primeiro-ministro, Dmitri Medvedev, a sua renúncia e de todo seu gabinete de ministros. Horas depois Putin estava de volta aos noticiários apresentando seu novo premiê, Mikhail Mishustin, ex-chefe da receita federal russa, enquanto seu antecessor, Medvedev, era nomeado ao cargo de vice chefe do conselho de segurança nacional. Estes três eventos em um mesmo dia demonstravam algo inabitual para as decisões do governo Putin: pressa. Apenas cinco dias depois, no dia 20 de janeiro, Putin levou à Duma, a câmara legislativa bai...
Conflito EUA-Irã: bravatas de Trump e riscos para Otan e Brasil
Américas, Brasil, Estados Unidos, Irã, Iraque, Oriente Médio, Rússia

Conflito EUA-Irã: bravatas de Trump e riscos para Otan e Brasil

O ano de 2020 apenas começou e o presidente estadunidense Donald Trump já fez o mundo tremer. Em 03 de janeiro último as forças armadas dos Estados Unidos executaram uma ousada e espetacular operação militar no entorno do aeroporto internacional de Bagdá no Iraque. Os mísseis lançados por uma aeronave não tripulada e operada de solo americano – o MQ-9 Reaper, ou ceifador – culminaram na morte de seis pessoas, entre elas o todo-poderoso Major General iraniano Qassim Soleimani e o Primeiro-tenente iraquiano e paramilitar foragido Abu Mahdi al Muhandis. O assassinato de Soleimani coloca fim a um breve hiato de paz no Iraque e descortina uma nova etapa do conflito no Oriente Médio. Chefes de estado e governo, oficiais militares e legações diplomatas ao redor do mundo se mostraram estarrec...
A parálise da OMC ou o fim da ordem econômica mundial que conhecemos
Américas, Arábia Saudita, Banco Mundial, Brasil, China, Estados Unidos, Estudos, Europa, FMI, França, GATT, OIC, OMC, Organizações Internacionais, Rússia

A parálise da OMC ou o fim da ordem econômica mundial que conhecemos

Prédio da OMC, em Genebra A recente e profunda crise da Organização Mundial do Comércio (OMC) é apenas o mais recente sinal do definhamento da ordem econômica mundial. Em artigo de opinião recentemente publicado pelo Washington Post, o professor em política internacional Daniel Drezner antevê o fim da ordem econômica liberal como a conhecemos.[i] De fato há indícios que a economia mundial entra em uma a nova (des)ordem econômica baseada no protecionismo. Não se trata somente do fim do liberalismo como arrazoado pelo Prof. Drezner, corremos também o risco de chegar ao fim do princípio da cooperação econômica. A ordem econômica mundial que conhecemos foi forjada a ferro e fogo ao término da segunda Guerra Mundial e expandida desde o fim da guerra fria. Colocada em marcha no ocidente a pa...
O “affair” Xi Jinping @ Vladimir Putin
China, Estados Unidos, Rússia

O “affair” Xi Jinping @ Vladimir Putin

Oleodutos russos, destaque para "Power of Siberia" Por anos – e haja anos... – a China e a Rússia/URSS foram os “melhores inimigos”. Irmãos de fé ideológica, separava-os o que embasa muitos relacionamentos entre as nações: a disputa pelo poder. Ou seja, o credo comunista não foi suficiente para matizar tal realidade geopolítica. As raízes deste conflito remontam à época em que Mao Zedong e suas tropas entraram na Cidade Proibida, em outubro de 1949. Cabe recordar, aliás, que naquele momento Moscou apoiava o governo nacionalista de Chiang Kai-shek, que os maoístas “expulsaram” para Taiwan. Além do mais, Mao tinha marcado distância à ortodoxia ideológica soviética e desenvolvido a sua própria, baseada mais nas condições do campesinato chinês do que no operariado urbano da URSS. A v...