ISSN 2674-8053

Venezuela

Supremacia monet√°ria: o controle dos EUA e Europa sobre o sistema financeiro global
Am√©ricas, Cuba, Estados Unidos, Europa, Ir√£, Organiza√ß√Ķes Internacionais, Oriente M√©dio, R√ļssia, Uni√£o Europeia, Venezuela

Supremacia monet√°ria: o controle dos EUA e Europa sobre o sistema financeiro global

A domin√Ęncia do sistema monet√°rio e financeiro internacional pelos Estados Unidos e pela Europa constitui uma das mais significativas manifesta√ß√Ķes de poder no cen√°rio mundial contempor√Ęneo. Este artigo explora como essa hegemonia conjunta tem sido empregada como uma arma econ√īmica contra pa√≠ses que desafiam os interesses ocidentais, ilustrando os impactos dessa din√Ęmica atrav√©s de exemplos concretos como Cuba, R√ļssia, Ir√£ e Venezuela. Em Cuba, a prolongada imposi√ß√£o de san√ß√Ķes pelos EUA, com apoio t√°cito de aliados europeus, sublinha a capacidade do Ocidente de isolar economicamente um pa√≠s. O embargo, refor√ßado por medidas financeiras internacionais, n√£o apenas restringe severamente a economia cubana, mas tamb√©m sua habilidade de operar dentro do sistema financeiro global, eviden...
Crise na fronteira: o papel do Brasil na resolução do conflito entre Guiana e Venezuela
Américas, Brasil, Guiana, Venezuela

Crise na fronteira: o papel do Brasil na resolução do conflito entre Guiana e Venezuela

A regi√£o da Am√©rica do Sul tem enfrentado uma s√©rie de desafios geopol√≠ticos que amea√ßam n√£o apenas a estabilidade interna dos pa√≠ses, mas tamb√©m a harmonia entre as na√ß√Ķes vizinhas. Um dos exemplos mais significativos √© a crescente tens√£o entre a Guiana e a Venezuela, um conflito que n√£o s√≥ desperta preocupa√ß√Ķes regionais, mas tamb√©m coloca o Brasil numa posi√ß√£o onde sua atua√ß√£o √© fundamental para promover a paz e a estabilidade na regi√£o. A raiz do conflito entre a Guiana e a Venezuela remonta ao s√©culo XIX, mas ganhou novas dimens√Ķes nos √ļltimos anos devido √† descoberta de grandes reservas de petr√≥leo na regi√£o disputada do Essequibo. A Venezuela, enfrentando uma profunda crise econ√īmica e pol√≠tica, tem reafirmado suas reivindica√ß√Ķes territoriais, aumentando a tens√£o na √°rea. Em...
Liderança brasileira na América do Sul: desafios e perspectivas atuais
Am√©ricas, Argentina, √Āsia, Brasil, China, Uruguai, Venezuela

Liderança brasileira na América do Sul: desafios e perspectivas atuais

O Brasil, historicamente reconhecido como uma lideran√ßa na Am√©rica do Sul, enfrenta atualmente desafios significativos em sua pol√≠tica externa, refletindo uma capacidade reduzida de influenciar acontecimentos regionais. Analisando recentes desenvolvimentos, podemos observar como a atual administra√ß√£o brasileira lida com quest√Ķes complexas envolvendo pa√≠ses vizinhos, como Venezuela, Argentina e Uruguai, cada um apresentando cen√°rios distintos. A rela√ß√£o com a Venezuela, sob o governo de Nicol√°s Maduro, permanece um ponto cr√≠tico. Historicamente, os dois pa√≠ses mantiveram la√ßos fortes, mas as recentes tens√Ķes pol√≠ticas internas na Venezuela e as cr√≠ticas internacionais ao regime de Maduro imp√Ķem desafios √† diplomacia brasileira. Apesar de serem aliados ideol√≥gicos, a incapacidade do ...
Ecos do passado: a disputa territorial entre Venezuela e Guiana e a indelével marca da história
Américas, Guiana, Venezuela

Ecos do passado: a disputa territorial entre Venezuela e Guiana e a indelével marca da história

A recente escalada de tens√Ķes entre a Venezuela e a Guiana em torno da regi√£o do Essequibo reacende uma disputa territorial que, apesar de s√©culos de exist√™ncia, continua a ser um elemento cr√≠tico nas rela√ß√Ķes entre estes dois pa√≠ses sul-americanos. Este artigo busca analisar a import√Ęncia de considerar as quest√Ķes hist√≥ricas na compreens√£o e resolu√ß√£o deste conflito, oferecendo uma vis√£o abrangente sobre as implica√ß√Ķes presentes e futuras deste impasse. A origem deste conflito remonta ao per√≠odo colonial, quando as fronteiras eram frequentemente determinadas pelo alcance dos imp√©rios europeus, neste caso, o brit√Ęnico e o espanhol. A regi√£o do Essequibo, rica em recursos naturais, tornou-se objeto de disputa desde que os limites coloniais foram imprecisamente definidos. A Venezuela...
A necessidade de integração do Brasil nas agendas regionais: o caso da CELAC
Am√©ricas, Argentina, Bol√≠via, Brasil, Chile, Col√īmbia, Cuba, Equador, M√©xico, Panam√°, Paraguai, Peru, Uruguai, Venezuela

A necessidade de integração do Brasil nas agendas regionais: o caso da CELAC

Em 1983 Col√īmbia, M√©xico, Panam√° e Venezuela criaram um f√≥rum para mediar conflitos armados na Am√©rica Central. Na √©poca ficou clara a necessidade de eles criarem f√≥runs de di√°logo direto, sem a intermedia√ß√£o de outros pa√≠ses, caso realmente quisessem superar os conflitos. Ficou conhecido como o Grupo de Contadora (nome da ilha do Panam√° no qual ocorreu o encontro). Em 1985 Argentina, Brasil, Peru e Uruguai se juntaram ao grupo e, criaram o Mecanismo Permanente de Consulta e Concerta√ß√£o Pol√≠tica da Am√©rica Latina e do Caribe, tamb√©m conhecido como Grupo do Rio. O Grupo do Rio n√£o √© um organismo internacional propriamente dito, na medida em que n√£o tem um secretariado respons√°vel pela implementa√ß√£o e acompanhamento das propostas. No entanto √© um importante espa√ßo para a concerta√ß√£o ...
A crise energética e a aproximação entre Biden e Maduro
Américas, Estados Unidos, Venezuela

A crise energética e a aproximação entre Biden e Maduro

Artigo elaborado por Jo√£o Paulo Costa A possibilidade de aproxima√ß√£o entre dois grandes desafetos das Am√©ricas, os Estados Unidos e a Venezuela, ocorre como consequ√™ncia de uma disputa militar distante dos latinoamericanos, a atual guerra entre R√ļssia e Ucr√Ęnia. Ao deslocar tropas russas para territ√≥rio ucraniano, Vladimir Putin usou a alega√ß√£o de um ‚Äúgenoc√≠dio‚ÄĚ na regi√£o leste cometido por tropas ‚Äúneonazistas‚ÄĚ. Para Volodymyr Zelensky, que recebeu apoio de outros atores internacionais, incluindo os Estados Unidos, os interesses russos v√£o al√©m disto. Ao optar pela invas√£o militar, Putin envia uma mensagem ao advers√°rio: a entrada da Ucr√Ęnia na Organiza√ß√£o do Tratado do Atl√Ęntico Norte, que vinha avan√ßando a passos largos na gest√£o de Zelensky, n√£o ser√° tolerada. Para os Estados...
Contra quem as san√ß√Ķes internacionais s√£o aplicadas?
Américas, Venezuela

Contra quem as san√ß√Ķes internacionais s√£o aplicadas?

Foto de Reuters/Carlos Garcia Rawlins As san√ß√Ķes comerciais s√£o um instrumento de pol√≠tica externa usado por alguns pa√≠ses e que tem impactos severos. Quando lemos as not√≠cias que falam sobre isso geralmente falam das san√ß√Ķes comerciais contra a Venezuela, ou contra o Ir√£ ou qualquer outro pa√≠s que atualmente est√° sob esse tipo de a√ß√£o. A quest√£o √© que o impacto √© sobre o pa√≠s, com especial foco em seu governo, mas na verdade √© sobre a popula√ß√£o. A ideia √© que a popula√ß√£o sofra os impactos do asfixiamento da economia do pa√≠s e comece a questionar seu governo, o que deveria levar √† escolha de outro presidente (em pa√≠ses democr√°ticos) ou a uma ruptura institucional para a instaura√ß√£o de outro governo (em pa√≠ses ditatoriais). Uma das quest√Ķes por tr√°s disto √© o custo humanit√°rio e soci...
O custo humanit√°rio das san√ß√Ķes internacionais: o caso venezuelano
Américas, Estados Unidos, Venezuela

O custo humanit√°rio das san√ß√Ķes internacionais: o caso venezuelano

Manifestantes venezuelanos contra o governo dos EUA. Foto REUTERS/Alexandre Meneghini As recentes manifesta√ß√Ķes em Cuba reabrem uma discuss√£o importante nas rela√ß√Ķes internacionais: o uso de san√ß√Ķes comerciais como uma forma de pol√≠tica externa. O presidente dos EUA, Joe Biden, anunciou seu apoio ao povo cubano, mas n√£o deu indica√ß√Ķes de altera√ß√£o da atual pol√≠tica de embargos. Em que pese a hist√≥ria e o simbolismo de Cuba no contexto da Guerra Fria, devemos nos lembrar que essa √© uma pol√≠tica mais comum, como pode ser visto no caso da Venezuela. A dura√ß√£o das san√ß√Ķes e embargos aplicados sobre Cuba e Venezuela s√£o mostras claras de seu fracasso como uma a√ß√£o que busca alterar o comportamento de outro governo. Assim, al√©m de n√£o ter um resultado pol√≠tico efetivo, implica em um custo...
A questão fronteiriça entre Venezuela e Guiana
Américas, Estados Unidos, Guiana, Venezuela

A questão fronteiriça entre Venezuela e Guiana

Mapa com a fronteira entre Venzuela e Guiana, com proje√ß√£o da √°rea mar√≠tima. A tens√£o na fronteira entre a Venezuela e a Guiana voltou a ser not√≠cia no √ļltimo fim de semana, em raz√£o da apreens√£o, pela marinha venezuelana, dos navios pesqueiros guianenses ‚ÄúNady Nayera‚ÄĚ e ‚ÄúSea Wolf‚ÄĚ. As chancelarias dos dois pa√≠ses trocaram notas de protesto. A Guiana acusa a Venezuela de ter cometido um ‚Äúato de agress√£o‚ÄĚ ao apreender os navios em √°guas guianenses. Os venezuelanos responderam que a apreens√£o foi leg√≠tima, por ter sido realizada em √°guas sob jurisdi√ß√£o do seu pa√≠s. A disputa √© anterior √† independ√™ncia dos dois pa√≠ses. Desde o in√≠cio do s√©culo 19, espanh√≥is e brit√Ęnicos j√° disputavam o posicionamento da fronteira entre suas col√īnias no norte da Am√©rica do Sul. Em 1835, com a Venezuela ...
A inefic√°cia das san√ß√Ķes internacionais
Américas, Cuba, Estados Unidos, Venezuela

A inefic√°cia das san√ß√Ķes internacionais

As san√ß√Ķes internacionais s√£o um instrumento de pol√≠tica externa extremo, geralmente adotados quando as vias diplom√°ticas n√£o funcionam como esperado. As san√ß√Ķes comerciais t√™m como objetivo isolar o pa√≠s dos fluxos comerciais internacionais, levando a um estrangulamento de sua economia. Com isso, espera-se que a popula√ß√£o local sinta as limita√ß√Ķes e passe a pressionar seus governantes para alterar a situa√ß√£o que levou √† san√ß√£o internacional. Em termos l√≥gicos parece ser uma boa pol√≠tica, mas n√£o √©. Ainda que a san√ß√£o seja direcionada para um determinado governo, na pr√°tica seus principais impactos s√£o sobre a popula√ß√£o, pessoas que t√™m poucas, quando alguma, condi√ß√£o de inflenciar no comportamento governamental. A limita√ß√£o do acesso a mercadorias internacionais, bem como o impact...