Fausto Godoy

Doutor em Direito Internacional Público em Paris. Ingressou na carreira diplomática em 1976, serviu nas embaixadas de Bruxelas, Buenos Aires, Nova Déli, Washington, Pequim, Tóquio, Islamabade (onde foi Embaixador do Brasil, em 2004). Também cumpriu missões transitórias no Vietnã e Taiwan. Viveu 15 anos na Ásia, para onde orientou sua carreira por considerar que o continente seria o mais importante do século 21 – previsão que, agora, vê cada vez mais perto da realidade.
A saga do Japão moderno: a Missão Iwakura
Ásia, Japão

A saga do Japão moderno: a Missão Iwakura

Rota da Missão Iwakura Qualquer reflexão a respeito da emergência da Ásia como (o) grande eixo da globalização neste início de século e do papel que o Continente está desempenhando no plano geoeconômico/geopolítico, tem que recapitular, a meu ver, o que ocorreu com o Japão do final do século XIX. Cabe lembrar que o país se manteve praticamente fechado para o mundo por mais de duzentos anos, por imposição dos xoguns Tokugawa, que temiam que a cristianização “insidiosa” da população pelos missionários católicos - jesuítas portugueses, principalmente - viesse solapar os esteios e a alma da nação. Este capítulo pungente da história do Japão, chamado Sakoku - 鎖国 - "país fechado"- está magistralmente registrado no livro “O Silêncio”, do escritor japonês Shusaku Endo, católico ele mesmo, a...
Fim(?) da guerra no Afeganistão
Afeganistão, Américas, Ásia, Estados Unidos, Organizações Internacionais, OTAN

Fim(?) da guerra no Afeganistão

Sefa Karacan/Anadolu Agency via Getty Images O Estadão de hoje replica matéria do New York Times segundo a qual o Presidente Joe Biden declarou ontem, 14/04, o fim da presença das tropas dos Estados Unidos no Afeganistão, encerrando o engajamento de vinte anos dos EUA na luta pela pacificação do país e desmantelamento da militância talibã, que já lhes custou mais de US $ 800 bilhões e a vida de 2.218 militares. Segundo o anúncio, os últimos 2,5 mil soldados americanos deixarão o Afeganistão até o dia 11 de setembro, data simbólica, aliás, quando se celebram os vinte anos da invasão ordenada por George W. Bush. Biden afirmou que “sou o quarto presidente a chefiar a presença de tropas no Afeganistão. Dois republicanos. Dois democratas...não vou passar essa responsabilidade para um quinto...
O tabuleiro geopolítico: EUA x RPC < Oriente Médio
Américas, Ásia, China, Estados Unidos, Oriente Médio

O tabuleiro geopolítico: EUA x RPC < Oriente Médio

Presidente chinês Xi Jinping (direita) e Presidente iraniano Hassan Rouhani em 2016 (AP Photo/Ebrahim Noroozi). A matéria que o Estadão publicou no dia 28/03 – “China investirá no Irã US$ 400 bi em troca de petróleo” – levanta mais um tema importante na disputa entre chineses e americanos pela hegemonia mundial. Desta feita é o Oriente Médio o foco, região particularmente sensível do planeta, como sabemos. Segundo o artigo, o acordo que foi firmado pelo Chanceler chinês, Wang Yi, e seu contraparte iraniano, Javad Zarif, durante a recente visita que Wang fez a Teerã, prevê investimentos chineses em “uma dezena de setores, incluindo bancos, telecomunicações, portos, ferrovias, saúde e tecnologia da informação... A China concordou em investir US$ 400 bilhões (R$ 2,3 trilhões) no Irã du...
Os Uighures, a República Popular da China e o Ocidente
Américas, Ásia, Canadá, China, Estados Unidos, Europa, Organizações Internacionais, Reino Unido, União Europeia

Os Uighures, a República Popular da China e o Ocidente

Província chinesa de Xinjiang | Arte gráfica: VOA A nova fronteira da disputa entre a China e os Estados Unidos ultimamente está-se concentrando na região da República Autônoma de Xinjiang, oficialmente conhecida como “Região Autônoma Uighur de Xinjiang” (XUAR), no noroeste da China, onde vive a etnia Uighur, de religião muçulmana em sua grande maioria. Pequim está sendo acusada de internar indivíduos separatistas em campos de concentração e de esterilizar a população. O Presidente Joe Biden já se manifestou de forma contundente contra o que entende ser uma política deliberada do governo chinês de realizar uma “limpeza étnica” (“an ethnical cleansing”) na região. Casos documentados de trabalho forçado, separação familiar e destruição de mesquitas e outros locais religiosos complemen...
Joe Biden e o tabuleiro geopolítico asiático
Américas, Ásia, China, Estados Unidos

Joe Biden e o tabuleiro geopolítico asiático

Presidentes Xi Jinping e Joe Biden (em foto de 2015) - AP Photo/Carolyn Kaster Os especialistas têm-se empenhado, nestes primeiros meses de governo, em decifrar os primeiros sinais da estratégia que a administração do Presidente Joe Biden irá desenvolver com relação à China. A pergunta que eles se fazem é se teriam continuidade as práticas de demonização da República Popular da China de Donald Trump, e a “guerra comercial” em que se engalfinharam, desestabilizando não somente o comércio entre os dois hegemons, senão também afetando a todos os demais países, forçados a conviver e eventualmente tomar maior ou menor partido nesta briga de gigantes, da qual, por exemplo, a tecnologia 5G é uma clara evidência. Na “era Trump”, alguns deles alinharam-se com Pequim, por diferentes razões e ...
O que são os Ningyos?
Ásia, Japão, Temas Globais

O que são os Ningyos?

Ningyo - Foto Fausto Godoy Na data em que se celebra o “Dia das Meninas”, no Japão, vamos olhar para a figura dos Ningyos. Para começar, temos que entender que eles não são bonecos para as crianças brincarem, mas “fetiches” nos quais os pais concentram sua esperança de que elas tenham um bom futuro. E quais são as mensagens que elas transmitem? A sociedade tradicional japonesa cultua valores muito definidos para os homens e para as mulheres. Estes valores, que são ainda muito arraigados, sobretudo entre os mais velhos, defluem da História e das tradições que regem o convívio, em todos os níveis sociais. Quais são estes valores? Os que definem o comportamento masculino têm raízes no “bushido”, que pode se traduzir como “o caminho do guerreiro”, isto é, o samurai. O Bushidō -...
O Dragão ameaça…
Ásia, China

O Dragão ameaça…

The pretty orange and red coloured dragon weaves through the crowds of people in Liverpool's Chinatown chasing a pearl during Chinese New Year celebrations. “Pintou o horror” no meio acadêmico e na mídia ocidental com relação à “ameaça” da China! Somente nestes últimos meses têm proliferado matérias, reflexões, notícias, debates, em vários veículos acadêmicos e da mídia internacional alertando para a necessidade urgente de o Ocidente contra-arrestar a emergência do “dragão chinês”. A última edição da Foreign Affairs e o site “Project Syndicate”, entre outros veículos, estão repletos de análises neste sentido. Muitas delas parecem aceitar o que lhes parece inevitável: o ocaso da hegemonia americana, e do Ocidente. Cito, a este respeito, trecho da matéria “Present at the Re-creatio...
China, uma Sociedade Moderadamente Próspera que reconfigura o poder global. Entrevista especial com Fausto Godoy
Ásia, China

China, uma Sociedade Moderadamente Próspera que reconfigura o poder global. Entrevista especial com Fausto Godoy

Por: João Vitor Santos | 09 Fevereiro 2021 Enquanto o governo brasileiro arrumava querelas diplomáticas, mergulhado no caos e morte da pandemia, a China seguia seu curso e enviava ao Brasil a primeira vacina contra a Covid-19, além de insumos para a produção de vacinas de outras farmacêuticas. Para o professor de Relações Internacionais e diplomata aposentado Fausto Godoy isso é ilustrativo de o quanto não só o Brasil, mas o Ocidente de modo geral estão aquém da lógica e do pensamento chinês. “A China não só não está já organizando sua vacinação como está mandando vacinas para o mundo todo, e ainda sem falar no envio de técnicos e equipamentos”, observa, em entrevista concedida por telefone à ...
A respeito de Aung San Suu Kyi e da tragédia de Myanmar
Ásia, Myanmar

A respeito de Aung San Suu Kyi e da tragédia de Myanmar

Rua bloqueada em direção ao Parlamento de Myanmar Ontem, no primeiro dia de fevereiro, o exército de Myanmar declarou o estado de emergência, assumiu o controle do país e deteve a Conselheira-de-Estado e Ministra das Relações Exteriores, Aung San Suu Kyi, Prêmio Nobel da Paz de 1991. Em uma declaração divulgada pela cadeia de televisão Myawaddy TV - que lhes pertence - os militares acusaram a Comissão Eleitoral de não ter agido em relação às "enormes irregularidades" que afirmam ter ocorrido nas eleições legislativas de novembro, quando o partido de Aung San Suu Kyi, a “Liga Nacional pela Democracia”/ “National League for Democracy”/NLD, venceu por larga maioria. Os militares afirmaram que a intervenção, sem atos de violência, foi “necessária para preservar a estabilidade do país”. ...
Índia: agravam-se as tensões no Punjab
Ásia, Índia

Índia: agravam-se as tensões no Punjab

Mapa com a região de Punjab, que faz fronteira com o Paquistão. Tratei no artigo "A Índia em comoção" do conflito que as três leis promulgadas pelo governo indiano em setembro do ano passado regulamentando o processo de comercialização de cereais vêm deflagrando junto à comunidade agrícola da Índia, sobretudo na região do Punjab. Conforme salientei, elas modificam o processo tradicional de comercialização de cereais que era feito através de um conselho criado pelos governos estaduais, os quais teoricamente garantiam proteção aos agricultores da exploração pelos varejistas. A lei que regulamentava este sistema – “Essential Commodities Act, 1955” - data de 1955. Por ela, cabia aos estados-membros regulamentar a comercialização das safras em leilões determinados pelos “Comitês de Merca...