Blog

O início do mundo incerto

A ordem multilateral acabou há um tempo, mas ainda vivíamos em sua inércia. Agora estamos vivendo em um mundo em que ela claramente não consegue controlar o comportamento dos atores internacionais, mas estes ainda não sabem quais são os limites de uma atuação unilateral. Historicamente momentos como estes foram bem tumultuados e geraram guerras intensas. O diálogo unilateral parece ser o caminho que temos para evitar isso tudo.

O Brasil sem os BRICS é um país isolado

Brasil, Rússia, Índia, China e África do Sul formam o grupo conhecido por BRICS. Não se trata apenas da junção de um conjunto de países com relevo no cenário internacional, mais do que isso, formam um importante elemento que pode impactar na estrutura do cenário internacional.

Base de Alcântara e a autonomia tecnológica brasileira

Há quase 20 anos Brasil e Ucrânia iniciaram (com o Acordo-Quadro sobre a Cooperação de Usos Pacíficos do Espaço Exterior, 1999) uma aproximação para um projeto que parecia bom para ambos: o lançamento de um satélite ucraniano usando-se a base de Alcântara. A partir desta aproximação, criaram a empresa binacional Alcântara Cyclone Space (ACS). Em 2003 finalmente a empresa foi criada diante de um aporte aproximado de R$ 480 milhões por parte do governo brasileiro.

Por que uma Ucrânia fraca pode ser a causa de uma guerra atômica?

A Coréia do Norte é um regime ditatorial que historicamente tem sustentado sua estrutura doméstica de poder doméstico na militarização. Mais do que o uso das forças armadas para reprimir a população, isso significa que o Estado norte-coreano age a partir de dimensões militares. Geralmente esses Estados têm um baixo nível de desenvolvimento econômico e, por consequência, tende a ter também um baixo nível de desenvolvimento tecnológico.